Clínica Médica
Clínica Médica

Hiperidrose: causas, como diagnosticar e tratamento

Logo Medclub
Equipe medclub
Publicado em
1/2/2024
 · 
Atualizado em
1/2/2024
Índice

A hiperidrose, conhecida pelo excesso de suor, é uma condição comum, com uma prevalência que varia de 1% a 5% da população geral. Raramente o quadro é causado por uma patologia subjacente significativa. No entanto, a sua principal consequência são os fatores sociais, emocionais e profissionais, pois impacta fortemente o dia a dia do indivíduo acometido. 

O que é hiperidrose? 

A hiperidrose é a secreção de suor em quantidades superiores às fisiologicamente necessárias para a termorregulação. É mais comumente uma condição idiopática crônica (primária), no entanto, condições médicas secundárias ou medicamentos devem ser excluídas.

Quando localizada em certas áreas do corpo é chamada de hiperidrose focal primária. Ela geralmente afeta as axilas, palmas das mãos e plantas dos pés. A condição também pode afetar outros locais, como face, couro cabeludo, áreas inguinais e inframamárias.

{{banner-cta-blog}}

Causas da hiperidrose 

A sudorese desempenha um papel crucial na termorregulação e equilíbrio de fluidos e eletrólitos. Existem três tipos de glândulas sudoríparas em humanos: écrinas, apócrinas e apocrinas. As glândulas écrinas, presentes em todo o corpo, são responsáveis pela hiperidrose. As apócrinas também podem influenciar a hiperidrose axilar. 

Representação das glândulas sudoríparas. Foto: Reprodução/DepositPhotos 
Representação das glândulas sudoríparas. Foto: Reprodução/DepositPhotos 

A principal função das glândulas écrinas é a termorregulação, especialmente nas palmas das mãos, plantas dos pés e axilas. A sudorese no rosto, peito e costas ocorre em resposta a estímulos de calor, enquanto a sudorese nas mãos e pés está relacionada ao estresse emocional. As axilas possuem glândulas écrinas, apócrinas e apoécrinas. 

A sudorese térmica é controlada pelo hipotálamo através do centro de suor pré-óptico termossensível, enquanto a sudorese emocional é regulada pelo córtex cerebral. Um sinal simpático é transportado para as glândulas endócrinas através de neurônios autônomos colinérgicos. 

Em pacientes com hiperidrose focal primária, as glândulas sudoríparas geralmente são histológica e funcionalmente normais. Em vez disso, a causa parece ser uma resposta central anormal ou exagerada ao estresse emocional normal.

Quadro clínico 

Os pacientes com hiperidrose focal primária geralmente desenvolvem sintomas na infância ou adolescência que persistem por toda a vida. Os sintomas focais são frequentemente localizados nas palmas das mãos, plantas dos pés e axilas, podendo afetar raramente o couro cabeludo, a face ou outros locais.

As principais consequência são no dia a dia do paciente seja a nível pessoal ou profissional:

  • Hiperidrose axilar: maceração da pele e manchas nas roupas.
  • Hiperidrose palmar: Geralmente leva ao medo de apertar as mãos e sujar os papéis, e os pacientes podem ter dificuldade no trabalho ou em tarefas recreativas que exijam uma pegada seca.

Os pacientes são mais propensos a sofrer de dermatofitose, ceratólise sem caroço e verrugas virais nos locais de hiperidrose. Além disso, a dermatite atópica e outras dermatites eczematosas são presentes com maior frequência nesses pacientes.

Como diagnosticar? 

Para o diagnóstico da hiperidrose focal primária, o paciente deverá apresentar suor excessivo focal, visível e com duração de pelo menos seis meses sem causa aparente, além de pelo menos duas das seguintes características:

  • Bilateral e relativamente simétrico
  • Prejudica as atividades diárias
  • Pelo menos um episódio por semana
  • Início antes dos 25 anos
  • História familiar de hiperidrose idiopática
  • A sudorese focal para durante o sono

Devemos suspeitar do tipo secundário em casos de sudorese generalizada. A causa mais comum de sudorese generalizada é o calor excessivo. No entanto, o excesso de suor generalizado pode ser causado por doenças sistêmicas ou medicamentos.

Ao contrário da causa primária, os pacientes com hiperidrose secundária generalizada, geralmente, se apresentam na idade adulta e relatam sudorese que ocorre tanto durante a vigília quanto durante o sono.

Para estes pacientes, devemos avaliar sinais e sintomas de causas infecciosas, como tuberculose, HIV ou endocardite; causas de etiologia maligna como o linfoma; ou uma endocrinopatia, como síndrome carcinoide, feocromocitoma ou hipertireoidismo. A menopausa também é uma possível causa que deve ser diagnosticada após exclusão de outras etiologias.

Outras causas de transpiração excessiva incluem:

  • Pacientes com lesões anteriores na medula espinhal, decorrentes de disreflexia autonômica, hipotensão ortostática ou siringomielia pós-traumática.
  • A sudorese gustativa (sudorese leve ao redor dos lábios, nariz e testa) ocorre normalmente com o consumo de alimentos quentes e condimentados.

{{banner-cta-blog}}

Tratamento de hiperidrose

A abordagem terapêutica apropriada dependerá da localização do excesso de suor (isto é, axilar, palmar, plantar ou craniofacial). Fatores adicionais, como os objetivos, expectativas e preferências do paciente, bem como preocupações de segurança, gravidade da doença, custo e disponibilidade do tratamento também impactam a seleção do tratamento.

As principais opções terapêuticas para hiperidrose axilar incluem:

  • Antitranspirantes – Primeira linha sendo amplamente disponível, barata e bem tolerada. Age obstruindo fisicamente os dutos glandulares com sais metálicos (geralmente alumínio). Devem ser aplicados todas as noites na área até que seja observada melhora, geralmente uma semana.
  • Toxina botulínica – Terapia de segunda linha. Atua bloqueando a liberação de acetilcolina neuronal da junção pré-sináptica dos neurônios autonômicos neuromusculares e colinérgicos, reduzindo temporariamente a produção de suor.  Normalmente, são realizadas 10 a 20 injeções com espaçamento de 1 a 2 cm em cada axila. Por isso, a queixa mais comum é a dor.
  • Termólise por microondas – Terapia de segunda linha. A energia de microondas pode ser utilizada para destruir as glândulas écrinas e aliviar o excesso de suor. É normalmente administrada em duas sessões de tratamento de 20 a 30 minutos separadas por três meses.
Pontos equidistantes 1 cm a 2 cm, na região axilar, para injeções intradérmicas de toxina botulínica. Fonte: Scielo 
Pontos equidistantes 1 cm a 2 cm, na região axilar, para injeções intradérmicas de toxina botulínica. Fonte: Scielo 

As terapias adicionais que podem melhorar o problema na axila incluem agentes sistêmicos, intervenções cirúrgicas e iontoforese. A preocupação com os efeitos adversos ou os dados de eficácia limitados tornam estes agentes opções menos favoráveis ​​para a terapia inicial.

Para os pacientes que não podem ser tratados com terapias de primeira e segunda linha, eles são inicialmente considerados para um tratamento local alternativo (curetagem por sucção), seguido por agentes sistêmicos (anticolinérgicos, clonidina , betabloqueadores e benzodiazepínicos) e, em seguida, simpatectomia torácica endoscópica.

A iontoforese, um tratamento baseado no uso de corrente elétrica para inibir a transpiração, é mais frequentemente usada para hiperidrose palmar e plantar porque é difícil obter contato uniforme do eletrodo com a pele axilar.

Iontoforese. Fonte: DepositPhotos
Iontoforese. Fonte: DepositPhotos

Embora muitos dos mesmos tratamentos usados ​​para a axila sejam eficazes para as palmas das mãos e dos pés, a abordagem do tratamento é um pouco diferente. Em particular, a iontoforese desempenha um papel mais importante no tratamento. As terapias de escolha são:

  • Antitranspirante tópico (1ª linha)
  • Iontoforese (1ª linha)
  • Toxina botulínica (2ª linha)
  • Agentes sistêmicos (última opção)
  • Simpatectomia torácica endoscópica (última opção)

O antitranspirante tópico normalmente é tentado primeiro devido à facilidade de administração desta terapia. A iontoforese consiste na introdução de substâncias ionizadas através da pele intacta, utilizando corrente contínua.

No tratamento da hiperidrose, a iontoforese é comumente realizada com água da torneira. Os pacientes costumam perceber reduções na transpiração em duas a quatro semanas, quando o tratamento é aplicado três vezes por semana. 

Caso a iontoforese com água da torneira não seja eficaz, um agente anticolinérgico, como um comprimido triturado de glicopirrolato de 2 mg, pode ser adicionado à bandeja de tratamento. Possíveis efeitos colaterais incluem mãos secas e rachadas (que podem ser aliviadas com hidratantes), eritema cutâneo, desconforto cutâneo e vesiculação transitória.

Intervenções adicionais que podem ajudar no tratamento dos sintomas do excesso de suor plantar incluem mudanças nos cuidados com os pés: trocas frequentes de meias e sapatos, bem como o uso de palmilhas absorventes e talco absorvente para os pés, podem ser úteis. Os pacientes também devem evitar calçados oclusivos e optar por aqueles que absorvem mais a umidade como o couro 

A localização da hiperidrose craniofacial é um fator limitante para algumas terapias para hiperidrose. As principais opções de tratamento incluem terapias tópicas, medicamentos sistêmicos, injeções de toxina botulínica e cirurgia. Os dados sobre esses tratamentos especificamente para hiperidrose craniofacial são limitados.

Conclusão


A hiperidrose, caracterizada pelo aumento excessivo da produção de suor, pode impactar significativamente a qualidade de vida dos indivíduos afetados. Este distúrbio, muitas vezes subdiagnosticado, pode se manifestar em diversas regiões do corpo, como mãos, pés, axilas e rosto, resultando em desconforto social e emocional. 

Dessa forma, é importante compreender as diferentes opções terapêuticas existentes desde abordagens conservadoras, como antitranspirantes e terapias comportamentais, até intervenções mais invasivas, incluindo procedimentos cirúrgicos, afim de proporcionar uma melhor qualidade de vida aos pacientes.

Continue aprendendo:

FONTES:

Assine o medclub e tenha acesso a um mundo de informações médicas

Aproveite por 30 dias gratuitamente e após esse período pague apenas R$29,90 por mês.

Artigo escrito por

Comece agora e tenha acesso a um mundo de informações médicas

Aproveite por 30 dias gratuitamente e após esse período pague apenas R$29,90 por mês.

Dúvidas?

O que é o MedClub?

O medclub é uma plataforma 100% online e responsiva focada no desenvolvimento e capacitação profissional dos médicos. Com videoaulas e materiais de apoio de alta qualidade, o médico é alavancado em uma dinâmica simples, clara e objetiva de atualização e aprimoramento dos conhecimentos essenciais à sua prática.

Como o MedClub pode me beneficiar?

O Medclub te proporciona a aplicabilidade prática da Medicina Baseada em Evidências, elevando o padrão da sua prática médica. Tudo isso em um só lugar, sem perda de tempo, com informações claras e fáceis de achar no dia a dia.

O MedClub beneficia médicos de diferentes níveis de experiência?

Sim! O MedClub foi cuidadosamente concebido e desenvolvido com o objetivo de simplificar o estudo e a atualização médica, proporcionando maior segurança nas práticas e procedimentos. Nossa plataforma visa melhorar os resultados diários dos médicos, abordando as principais preocupações independentemente do estágio de sua carreira.

Existe um prazo de garantia?

Com certeza! No MedClub, estamos comprometidos com você. Por isso, disponibilizamos 30 dias corridos gratuitos antes de qualquer pagamento ser debitado em sua conta, garantindo que sua assinatura entre em vigor apenas quando você estiver pronto.

Como faço para cancelar minha assinatura?

Ao iniciar sua assinatura no MedClub, você terá a flexibilidade de cancelá-la a qualquer momento diretamente na plataforma, podendo também cancelar entrando em contato com nossa equipe de suporte ou enviando um e-mail para contato@med.club.

Nós utilizamos cookies. Ao navegar no site estará consentindo a sua utilização. Saiba mais sobre o uso de cookies.