Cardiologia
Cardiologia

Endocardite Infecciosa: tipos, etiologias, diagnóstico e tratamento

Logo Medclub
Equipe medclub
Publicado em
8/11/2023
 · 
Atualizado em
10/11/2023
Índice

A Endocardite Infecciosa (EI) é uma patologia de difícil definição de sua epidemiologia, devido à sua dificuldade diagnóstica por uma sintomatologia inespecífica. Contudo, é sabido de sua alta morbimortalidade, uma vez que a letalidade da doença pode chegar a 40% em pacientes previamente internados em até um ano, e manter-se constante por aproximadamente 25 anos.

O que é endocardite infecciosa?

A endocardite infecciosa é uma patologia caracterizada por um processo inflamatório no endocárdio consequente a sua lesão endotelial, normalmente causada por uma cardiopatia estrutural presente, associada com uma infecção de microrganismos sejam eles bactérias ou fungos. Com isso, há progressão para valvopatia com lesão vegetante e distúrbio da funcionalidade cardiovascular.

Etiologia

Os principais agentes etiológicos são as bactérias Gram-positivas como: Estreptococos, Estafilococos e Enterococos. Contudo bactérias gram-negativas, bactérias do grupo HACEK (Haemophilus, Aggregatibacter, Cardiobacterium, Eikenella corrodens e Kingella) e fungos são outros microrganismos também relacionados à endocardite infecciosa, mas de frequência menor. Segue a tabela que relaciona melhor os agentes com os contextos da doença:

VALVA NATIVA BACTÉRIAS
Comunidade Estreptococos/ S. aureus
Nosocomial S. aureus
PRÓTESE VALVAR
< 2 meses Estafilococos coagulase-negativos
2-12 meses Estafilococos coagulase-negativos
> 12 meses Estreptococos
USUÁRIOS DE DROGAS IV
Câmara Direita S. aureus
Câmara Esquerda S. aureus / Enterococos
Fonte: Manual da Residência em Cardiologia, HC-FMUSP, 2°ed.

Tipos de Endocardite Infecciosa

Atualmente a doença é classificada em quatro grandes grupos. Veja a seguir:

Endocardite infecciosa em valva nativa

Esta é a forma mais comum, que acomete principalmente a população mais jovem com alteração valvar por Febre Reumática, sendo os estreptococos os agentes mais comuns.

Endocardite infecciosa de prótese valvar 

Pode ser precoce quando ocorre em até 1 ano após a cirurgia, com predomínio de estafilococos coagulase-negativo ou tardia, quando se assemelha a de uma valva nativa; 

Endocardite infecciosa em usuários de drogas 

Sendo drogas injetáveis e possibilitando infecção por S. aureus e fungos, além de ser um grupo mais relacionado com EI de “coração direito”.

Endocardite infecciosa nosocomial 

A doença é classificada desta maneira quando envolve cuidados hospitalares e pacientes internados (estafilococos e bacilos gram-negativos), tendo o pior prognóstico.

{{banner-cta-blog}}

Fisiopatologia

Como já mencionado, a endocardite é inicialmente causada por uma lesão endotelial comumente por turbilhonamento sanguíneo em área valvar em um paciente cardiopata estrutural, resultando em um processo inflamatório local com deposição de fibrina, formação de trombos e valvulite

Porém, em pacientes com fatores de risco para o problema pode ocorrer bacteremia ou fungemia, resultando em colonização local e em sua característica infecciosa, havendo maiores riscos para complicações como tromboembolismo séptico, isquemia miocárdica e insuficiência cardíaca.

Quadro Clínico

A sintomatologia é muito inespecífica, pois sinais inflamatórios sistêmicos são as principais manifestações e tem a febre como a mais prevalente, surgindo em cerca de 90% dos casos. Contudo, alguns sinais como petéquias em mucosas, mancha de Roth, Nódulos de Osler e manchas de Janeway (petéquias palmares e plantares) são mais específicos da patologia mas, em contrapartida, mais incomuns. 

Imagem mostrando o nódulo de Osler na ponta do dedo da mão
Nódulo de Osler da Endocardite Infecciosa. Fonte: Tratado de Cardiologia, SOCESP, 5°ed.

Além disso, cerca de 85% dos pacientes possuem sopros cardíacos estenosantes ou de regurgitação devido à valvulite, tornando-se um achado importante de uma disfunção cardíaca ativa.

Imagem mostrando a mancha de Roth presente no exame de fundoscopia
Mancha de Roth presente em fundoscopia de paciente com Endocardite Infecciosa. Fonte: Tratado de Cardiologia, SOCESP, 5°ed.

Como realizar o diagnóstico da endocardite infecciosa?

Além da anamnese, exame físico e presença de fatores de risco, achados laboratoriais como aumento de PCR e VHS, leucocitose com desvio à esquerda e hemocultura positiva, são importantes para levantar suspeita da patologia. Ademais, o Ecocardiograma é um método essencial por permitir a visualização direta da lesão vegetante, da extensão da valvopatia e de grau de disfunção da funcionalidade cardíaca. Atualmente, os Critérios de Duke modificados devem ser seguidos devido ao seu alto valor preditivo negativo como forma de descartar ou de estabelecer um diagnóstico positivo.

VALVA NATIVA BACTÉRIAS
Comunidade Estreptococos/ S. aureus
Nosocomial S. aureus
PRÓTESE VALVAR
< 2 meses Estafilococos coagulase-negativos
2-12 meses Estafilococos coagulase-negativos
> 12 meses Estreptococos
USUÁRIOS DE DROGAS IV
Câmara Direita S. aureus
Câmara Esquerda S. aureus / Enterococos
Fonte: Manual da Residência em Cardiologia, HC-FMUSP, 2°ed.

Como deve ser feita a hemocultura e o uso do Ecocardiograma?

A hemocultura está indicada para aqueles pacientes em que há uma suspeição do diagnóstico. Ela deve ser realizada obedecendo às seguintes regras: 3 coletas venosas em locais distintos com um intervalo de 30 a 60 min. Não há a necessidade de coleta durante o período febril, já que a bacteremia ou fungemia não se altera. Já no ecocardiograma, o método Transtorácico (TT) é a primeira opção, havendo indicação de Transesofágico (TE) em caso de TT normal, janela de visualização ruim ou paciente em ventilação mecânica

{{banner-cta-blog}}

Qual o tratamento da endocardite infecciosa?

A terapêutica deve ter como objetivo o cuidado integral e multidisciplinar do paciente através de antibiótico (ATB) empírico e específico, uso de antitrombóticos, vigilância hemodinâmica, cirurgia valvar quando necessário e profilaxia (higiene oral, ATB profilático e fechamento de Ducto Arterioso se patente). 

A antibioticoterapia empírica - principalmente com Vancomicina - só está indicada em situações de instabilidade hemodinâmica ou grau avançado da doença, mas deve ser iniciada apenas após a coleta da hemocultura. Em seguida, medicamentos devem ser específicos para o agente etiológico identificado.

Como é o esquema terapêutico?

Para um melhor esquema de tratamento, faz-se necessário identificar aqueles pacientes com valva nativa e com prótese. Isso porque, no primeiro caso a ATB empírica deve ser exclusivamente com Vancomicina, em duração de 4 a 6 semanas. Enquanto no segundo contexto, dos pacientes com prótese, é necessário 6 semanas de tratamento e há outras possibilidades para cobrir as bactérias Gram-positivas como: cefepime, imipenem, meropenem e gentamicina.

Conclusão

Tendo em vista a alta morbimortalidade da Endocardite Infecciosa e a diversidade de fatores de risco associados, é de extrema importância o seu profundo conhecimento para que seja possível a sua identificação e diagnóstico precoce, com o objetivo de melhora do prognóstico e aumento de sobrevida dos pacientes.


Continue aprendendo:

FONTES:

  • Clínica Médica, Livro 2, HC-FMUSP, 2°ed.
  • Tratado de Cardiologia, SOCESP, 5°ed.
  • Manual da Residência em Cardiologia, HC-FMUSP, 2°ed.
  • Overview of management of infective endocarditis in adults, UpToDate.

Assine o medclub e tenha acesso a um mundo de informações médicas

Aproveite por 30 dias gratuitamente e após esse período pague apenas R$29,90 por mês.

Artigo escrito por

Comece agora e tenha acesso a um mundo de informações médicas

Aproveite por 30 dias gratuitamente e após esse período pague apenas R$29,90 por mês.

Dúvidas?

O que é o MedClub?

O medclub é uma plataforma 100% online e responsiva focada no desenvolvimento e capacitação profissional dos médicos. Com videoaulas e materiais de apoio de alta qualidade, o médico é alavancado em uma dinâmica simples, clara e objetiva de atualização e aprimoramento dos conhecimentos essenciais à sua prática.

Como o MedClub pode me beneficiar?

O Medclub te proporciona a aplicabilidade prática da Medicina Baseada em Evidências, elevando o padrão da sua prática médica. Tudo isso em um só lugar, sem perda de tempo, com informações claras e fáceis de achar no dia a dia.

O MedClub beneficia médicos de diferentes níveis de experiência?

Sim! O MedClub foi cuidadosamente concebido e desenvolvido com o objetivo de simplificar o estudo e a atualização médica, proporcionando maior segurança nas práticas e procedimentos. Nossa plataforma visa melhorar os resultados diários dos médicos, abordando as principais preocupações independentemente do estágio de sua carreira.

Existe um prazo de garantia?

Com certeza! No MedClub, estamos comprometidos com você. Por isso, disponibilizamos 30 dias corridos gratuitos antes de qualquer pagamento ser debitado em sua conta, garantindo que sua assinatura entre em vigor apenas quando você estiver pronto.

Como faço para cancelar minha assinatura?

Ao iniciar sua assinatura no MedClub, você terá a flexibilidade de cancelá-la a qualquer momento diretamente na plataforma, podendo também cancelar entrando em contato com nossa equipe de suporte ou enviando um e-mail para contato@med.club.

Nós utilizamos cookies. Ao navegar no site estará consentindo a sua utilização. Saiba mais sobre o uso de cookies.