Endocrinologia
Endocrinologia

Hipoglicemia: causas, fatores de risco e tratamentos

Logo Medclub
Equipe medclub
Publicado em
1/5/2023
 · 
Atualizado em
7/5/2023
Índice

Por: Beatriz Lages Zolin

A hipoglicemia é caracterizada por um nível de glicose sanguínea baixo o suficiente para gerar sintomas num indivíduo. Ela é a complicação mais frequente do tratamento da diabetes melitus (DM). Além disso, é a causa de 6% a 10% das mortes de pacientes com DM1. 

É muito comum que os indivíduos com diabetes apresentem níveis baixos de glicose, mas muitas vezes isso ocorre de maneira assintomática ou durante o sono. No entanto, deve-se ter atenção a todos os casos, pois a depender da causa e da duração, a condição pode se agravar com sintomas neurológicos. Logo, é necessário realizar um rápido diagnóstico e manejo para esses pacientes hipoglicêmicos.

Conceito de Hipoglicemia

Aferição da glicemia com HGT. Fonte: AdobeStock
Aferição da glicemia com HGT. Fonte: AdobeStock

A hipoglicemia é definida por valores glicêmicos abaixo de 70mg/dL, sendo considerada leve quando está entre 70 até 54mg/dL; moderada quando abaixo de 54mg/dL e grave quando houver alteração do estado mental, exigindo ajuda de outra pessoa para a sua recuperação.

Esses valores nem sempre avaliam a gravidade, pois depende de cada caso. Por exemplo, crianças pequenas ou idosos com diabetes de longa data e glicemia entre 60 e 70mg/dL podem evoluir com sintomas muito mais graves do que adultos jovens com esse mesmo valor glicêmico.

Para você ficar sabendo todos os detalhes temos uma aula exclusiva que trata desse assunto, confira no nosso streaming de atualização médica. O Medclub Prime tem um preço que cabe no seu bolso e vai te manter atualizado, o que é muito importante para o seu dia-a-dia

Fatores predisponentes e de risco de hipoglicemia

  • Pacientes com DM tipo 1 ou 2, sob controle glicêmico rígido
  • Exercícios prolongados e extenuantes
  • Hipotireoidismo
  • Omissão ou atraso de refeições
  • Ingestão excessiva de álcool
  • Uso de doses excessivas de insulina ou sulfonilureia 
  • Episódios hipoglicêmicos prévios
  • Infecções
  • Caquexia 
  • Insuficiência hepática ou renal

Em casos de hipoglicemia recorrente, investigar doença de Addison, insuficiência renal, síndrome da má absorção intestinal, hipotireoidismo e insulinoma.

Quadro clínico

Os sinais e sintomas da hipoglicemia surgem pela ativação de mecanismos contrarreguladores para uma maior compensação (principalmente sistema adrenérgico), pelo baixo fornecimento de energia ao sistema nervoso (neuroglicopenia) e até de complicações cardiovasculares.

Sintomas de hiperatividade autonômica

Sudorese, taquicardia, palpitações, tremores e ansiedade são sinais comuns de atividade simpática, enquanto náuseas, vômitos e fome surgem a partir de ativação parassimpática. Pacientes em uso de betabloqueadores costumam ter os sinais adrenérgicos mascarados, exceto pela sudorese.

Sintomas Neurológicos

Confusão mental, irritabilidade, dificuldade em se concentrar-se, tontura, cefaleia, alucinações, convulsões e, em casos muito graves, déficits focais (como hemiplegia), coma e morte. Uma rara complicação de comas hipoglicêmicos de repetição é a hidrocefalia. Nem sempre os sintomas neuroglicopênicos surgem após o quadro autonômico.

Complicações cardiovasculares

Em casos de hipoglicemia muito grave, a pressão arterial pode se elevar e arritmias ventriculares podem surgir, além de intervalo QT longo. Isquemias miocárdicas podem tornar-se recorrentes.

Hipoglicemia Noturna

Esses casos podem se apresentar assintomáticos ou com sudorese, pesadelos frequentes e cefaleias matinais. Em casos muito graves, pode resultar em estado comatoso.

Diagnóstico da Hipoglicemia

Algoritmo para diagnóstico da hipoglicemia. Fonte: Emedicine; Link da fonte: https://emedicine.medscape.com/article/122122-workup
Algoritmo para diagnóstico da hipoglicemia. Fonte: Emedicine  

Os sinais e sintomas da hipoglicemia são bem inespecíficos, então a dosagem de glicemia capilar (HGT) é essencial para o diagnóstico. Questionar sobre uso de novas medicações, infecções recentes, horário da última refeição e mudança de atividades diárias é válido para descobrir a causa. A tríade de Whipple para diagnóstico inclui glicemia abaixo de 70mg/dL, presença de sintomas e reversão sintomática após restauração do nível glicêmico.

Uma abordagem sistemática e com exames complementares pode ser necessária para identificar a causa da hipoglicemia e afastar a possibilidade de uma infecção oculta subjacente. Para os casos em que há suspeita de infecção, é possível solicitar um raio-x de tórax, sumário de urina, hemograma e PCR.

Se você quiser saber mais sobre este assunto acesse o nosso streaming de atualização médica, para assistir de onde e quando quiser. Sabe aquela dúvida que aparece no meio do plantão!? Os conteúdos atualizados do Medclub prime podem te ajudar a obter ainda mais êxito na sua prática médica

Tratamento da Hipoglicemia

A recomendação para pacientes conscientes é ingerir 15g de carboidrato de absorção rápida - como uma colher de sopa de açúcar ou mel ou um copo com 30 ml de soro glicosado a 50%, diluído em água - reavaliando a cada 15 minutos a glicemia capilar e repetir o processo até chegar a um valor ideal.

Assim como esses indivíduos, aqueles que possuírem hipoglicemia assintomática devem se atentar a prevenção, evitando ingerir bebida alcoólica, omitir refeições, praticar exercícios em jejum e aumentar a frequência de lanches pequenos durante o dia. Mas além disso, para os hipoglicêmicos assintomáticos é válido rever as medicações diárias que diminuem a resposta autonômica fisiológica e interromper seu uso.

Em pacientes torporosos ou em estado de coma, há alto risco de broncoaspiração se ofertar alimentos via oral, então o tratamento é feito por via intravenosa com 3 ampolas de glicose a 50%, diluídas em 100ml de soro fisiológico. É necessário reavaliar com HGT a cada 5 minutos e repetir essa conduta até que o processo seja revertido. Quando o paciente recobrar a consciência, fornecer alimentos assim que possível.

Se não estiver com acesso venoso para o procedimento acima, administrar glucagon intramuscular ou subcutâneo inicialmente e instalar o acesso venoso periférico em seguida. Caso seja necessário o uso de glicose hipertônica, lembrar-se de que deve ser diluída em 100ml de soro fisiológico para a sua administração intravenosa, senão pode causar lesões vasculares e de pele.

Alguns indivíduos podem demandar internação hospitalar, como os que estão em coma devido a uso de fármacos como sulfonilureia ou insulina ou os que possuem insuficiência renal. Nesse primeiro caso, deve haver infusão contínua de glicose e monitoramento cuidadoso, enquanto no segundo caso deve haver reidratação e administração intravenosa de solução de glicose a 10%.

Conclusão 

A hipoglicemia (glicose sanguínea <70mg/dl) é a complicação mais frequente e temida em pacientes em tratamento para diabetes, sendo mais comum nos que utilizam insulina e sulfonilureias. A conduta deve ser rapidamente tomada após seu diagnóstico, pois após um longo período hipoglicêmico, sintomas neurológicos podem surgir. 

Logo, é necessário alertar esses pacientes sobre os principais sintomas e estimular a aferição com HGT em casa. O tratamento depende do estado do paciente, se consciente, pode fazer em casa, com consumo de solução glicosada ou mel; casos mais graves devem ser levados a atenção hospitalar.

Continue aprendendo:

FONTES:

Assine o medclub e tenha acesso a um mundo de informações médicas

Aproveite por 30 dias gratuitamente e após esse período pague apenas R$29,90 por mês.

Artigo escrito por

Comece agora e tenha acesso a um mundo de informações médicas

Aproveite por 30 dias gratuitamente e após esse período pague apenas R$29,90 por mês.

Dúvidas?

O que é o MedClub?

O medclub é uma plataforma 100% online e responsiva focada no desenvolvimento e capacitação profissional dos médicos. Com videoaulas e materiais de apoio de alta qualidade, o médico é alavancado em uma dinâmica simples, clara e objetiva de atualização e aprimoramento dos conhecimentos essenciais à sua prática.

Como o MedClub pode me beneficiar?

O Medclub te proporciona a aplicabilidade prática da Medicina Baseada em Evidências, elevando o padrão da sua prática médica. Tudo isso em um só lugar, sem perda de tempo, com informações claras e fáceis de achar no dia a dia.

O MedClub beneficia médicos de diferentes níveis de experiência?

Sim! O MedClub foi cuidadosamente concebido e desenvolvido com o objetivo de simplificar o estudo e a atualização médica, proporcionando maior segurança nas práticas e procedimentos. Nossa plataforma visa melhorar os resultados diários dos médicos, abordando as principais preocupações independentemente do estágio de sua carreira.

Existe um prazo de garantia?

Com certeza! No MedClub, estamos comprometidos com você. Por isso, disponibilizamos 30 dias corridos gratuitos antes de qualquer pagamento ser debitado em sua conta, garantindo que sua assinatura entre em vigor apenas quando você estiver pronto.

Como faço para cancelar minha assinatura?

Ao iniciar sua assinatura no MedClub, você terá a flexibilidade de cancelá-la a qualquer momento diretamente na plataforma, podendo também cancelar entrando em contato com nossa equipe de suporte ou enviando um e-mail para contato@med.club.

Nós utilizamos cookies. Ao navegar no site estará consentindo a sua utilização. Saiba mais sobre o uso de cookies.