Cirurgia
Cirurgia

Diverticulite aguda: fisiopatologia, sintomas e manejo

Logo Medclub
Equipe medclub
Publicado em
13/11/2023
 · 
Atualizado em
13/11/2023
Índice

A diverticulite aguda é um quadro bastante comum nos países ocidentais, sobretudo pelo estilo de vida. Ele acomete principalmente pacientes idosos. Além disso, vale  lembrar que cerca de 4% dos pacientes com diverticulose de cólon esquerdo evoluem para a diverticulite aguda. 

O cólon sigmóide é geralmente a parte mais comumente envolvida, mas quadros raros do lado direito podem ocorrer. A diverticulose, condição pré-existente da diverticulite, está presente em um terço dos indivíduos com mais de 45 anos. Por isso, é fundamental compreender o que é o problema e a sua fisiopatologia.

O que é diverticulite aguda?

A diverticulite é um termo utilizado para definir a infecção ou inflamação de um divertículo. A causa mais comum de inflamação é decorrente de uma impactação mecânica por restos de conteúdo luminal, que entram nos divertículos da doença diverticular do cólon formando fecalitos que comprometem a circulação da parede diverticular. Dessa forma, ocorrem as perfurações e quadros infecciosos.

As repercussões da perfuração podem ser clínicas e limitadas ou gerar complicações como abscessos mesentéricos e pericólicos, obstrução progressiva, formação de fístulas por adesão visceral e peritonite.

Fonte: MSD manuals
Fonte: MSD manuals

Fisiopatologia

A fisiopatologia da diverticulite começa com o processo de diverticulose, o qual ocorre basicamente por dois motivos: aumento de pressão colônica ou fraqueza da parede muscular.

  • Aumento da pressão no Cólon: Quando essa pressão aumenta durante a passagem das fezes, por exemplo, protrusões ou herniações da mucosa (a camada interna da parede do cólon) podem ocorrer através das áreas mais fracas da parede muscular.
  • Fraqueza na parede do Cólon: As áreas mais fracas da parede do cólon geralmente se encontram onde os vasos sanguíneos penetram na parede para fornecer sangue ao cólon. Isso cria locais de fraqueza onde os divertículos são mais propensos a se formar.

Com o passar dos anos, a pressão repetida e a fraqueza da parede do cólon aumentam a chance de formação desses divertículos, principalmente no cólon sigmóide. Logo, é evidente que o envelhecimento é uma das causas mais comuns, geralmente indivíduos acima dos 40 anos.

Uma dieta pobre em fibras e rica em alimentos processados e refinados pode contribuir para o desenvolvimento da diverticulose. Isso porque a formação de fezes duras e secas e o próprio processo de constipação aumentam a pressão no cólon. Para mais, qualquer condição que aumente a pressão intestinal é fator de risco para o desenvolvimento de divertículos. 

A identificação precoce dos pacientes com risco mais elevado de desenvolver doença complicada é de suma importância na abordagem inicial e planejamento do tratamento da diverticulite. Covino et al. publicaram recentemente um score preditivo de risco para a diverticulite aguda complicada (PACO-D score), fácil de aplicar na prática clínica.

Linha do tempoDescrição gerada automaticamente
PACO-D score
Fator de risco Pontuação
Sexo masculino 1
Obstipação 1
Hemoglobina <11,9g/dl 1
PCR > 80mg/l 1
Obesidade (IMC>30Kg/m2) 1
Não IBP 1
Interpretação: 0-1 - Baixo; 2-3 - Moderado; ≧ 4 - Alto. Fonte: Covino et al

A diverticulite surge quando os divertículos são obstruídos com resíduos de alimentos, fezes ou outros detritos, criando um ambiente propício para a retenção de material e bactérias. Isso não é raro de acontecer, visto que o orifício do divertículo é pequeno e após a entrada do fecalito a sua saída é dificultada.

A partir disso, ocorre um aumento da pressão dentro dos divertículos e rupturas da parede intestinal, permitindo que bactérias e fezes entrem no tecido circundante do cólon, causando inflamação e infecção. 

Em casos graves, o problema pode levar a complicações como abscessos (coleções de pus), perfuração do cólon, peritonite (inflamação da membrana que reveste a cavidade abdominal) e formação de fístulas (conexões anormais entre órgãos).

{{banner-cta-blog}}

Quais os sintomas da diverticulite aguda?

A diverticulite aguda é caracterizada por diversos sintomas, tais como febre; leucocitose; um sinal de Blumberg positivo na parte inferior do abdômen, especialmente no cólon sigmóide, onde os divertículos são mais comuns e numerosos. Além da dor que se intensifica durante a evacuação e sinais de irritação peritoneal, incluindo sensibilidade à pressão e dor quando a pressão é aliviada.

Os sintomas também podem se manifestar no lado direito, o que pode se assemelhar a um quadro de apendicite aguda. Ainda, a proteína C reativa geralmente está aumentada sendo um bom exame preditivo positivo

A inflamação também é a principal causa de fístula vesical. Com isso, quando a dor estiver associada a micção ou pneumatúria, a suspeita diagnóstica deve ser investigada. Por outro lado, a dor em cólica com distensão abdominal sugere obstrução intestinal (por aderências).

Diagnóstico

Em 2010, Laméris et al. desenvolveram uma regra de decisão clínica para o diagnóstico de diverticulite baseada em 3 critérios: (1) sensibilidade direta apenas no quadrante inferior esquerdo, (2) PCR > 50 mg/l e (3) ausência de vômito. O valor preditivo positivo foi de 97%.

Se o paciente tiver história documentada de diverticulose, o diagnóstico do quadro pode ser clínico. No entanto, sem essa confirmação, exames adicionais podem ser úteis para diagnósticos diferenciais, como quadros agudos de apendicite, abcessos, câncer de cólon ou de ovário e, ainda, tumores não cancerosos na parede do útero.

As técnicas de imagem radiológica mais utilizadas para o diagnóstico em ambientes de emergência são ultrassonografia e tomografia computadorizada (TC). Atualmente, a TC é o método padrão-ouro. A ressonância magnética é um exame alternativo que pode ser usado em gestantes.

Os achados tomográficos nesses pacientes podem incluir diverticulose com espessamento da parede do cólon associado, formação de gordura, flegmão, gás extraluminal, formação de abscesso ou líquido livre intra-abdominal.

Divertículo inflamado. TC de abdome, plano axial, contraste intravenoso, mostra divertículo com discreto espessamento parietal (seta) e aumento da atenuação da gordura pericolônica. Fonte: Naves 2017
Divertículo inflamado. TC de abdome, plano axial, contraste intravenoso, mostra divertículo com discreto espessamento parietal (seta) e aumento da atenuação da gordura pericolônica. Fonte: Naves 2017

A diverticulite aguda não complicada (DANC) é definida como inflamação diverticular localizada sem qualquer abscesso ou perfuração. A classificação de Hinchey é um sistema utilizado para categorizar a diverticulite com base na gravidade da condição e na presença de complicações. Hinchey classificou a gravidade em seis níveis conforme a tabela abaixo.

GRAU CARACTERÍSTICAS
0 Diverticulite clínica leve
Ia Inflamação pericólica localizada
Ib Abscesso pericólico localizado
II Abscesso pélvico, intra-abdominal ou retroperitoneal
III Peritonite purulenta generalizada
IV Peritonite fecal generalizada
Grupo Surgical

Como fazer o manejo da diverticulite aguda?

Pacientes com diverticulite não complicada, sem comorbidades significativas, que são capazes de tomar líquidos por via oral e possuam autonomia, meios de subsistência e higiene adequada, podem ser tratados ambulatorialmente com segurança, mas devem ser reavaliados em até 7 dias a partir do diagnóstico. Se o quadro clínico piorar, a reavaliação deverá ser realizada precocemente e iniciado o tratamento hospitalar.

Em pacientes com DANC, mas com manifestações sistêmicas de infecção ou de alto risco (imunocomprometidos, idosos, achado tomográfico de gás extraluminal pericólico e comorbidades), considerando a microbiota intestinal da diverticulite aguda do intestino grosso, é necessário cobertura antibiótica para bactérias Gram-positivas e Gram-negativas, bem como para anaeróbios.

Os antibióticos vão ser imprescindíveis em casos de diverticulite complicada. Nesses casos, a administração oral deve ser a escolhida sempre que possível, a fim de reduzir o tempo de internação hospitalar do paciente. 

O regime de antibiótico escolhido deve levar em conta a condição clínica subjacente do paciente, nos patógenos supostamente envolvidos e nos fatores de risco para os principais padrões de resistência antimicrobiana. O tratamento deve ser feito de 7-10 dias a partir da combinação de drogas do quadro abaixo.

Tabela, Linha do tempoDescrição gerada automaticamente
Drogas Posologia
Via oral para tratamento domiciliar
Metronidazol e quinolona Metronidazol - 500mg a cada 6 a 8 horas
Ciprofloxacina - 500-700mg a cada 12 horas
Metronidazol e trimetoprima-sulfametoxazol Metronidazol - 500mg a cada 6 a 8 horas
Trimetoprima-sulametoxazol - 160 mg
Trimetoprima e 800 mg Sulgamrtoxazol a cada 12 horas
Amoxicilina - clavulanato Amoxicilina-clavulanato - 875 mg a cada 12 horas
Via intravenosa para tratamento hospitalar
Metronidazol e quinolona Metronidazol - 500mg a cada 6 a 8 horas
Ciprofloxacina - 400 mg a cada 12 horas
Metronidazol e cefalosporina de terceira geração Metronidazol - 500mg a cada 6 a 8 horas
Ceftriaxone - 1-2g a cada 24 horas
Beta-lactâmico e inibidor de beta-lactamase Ampicilina-sulbactam - 3 g a cada 6 horas

A resistência antibiótica, sobretudo das Enterobacteriaceae produtoras de beta-lactamase, está se tornando cada vez mais comum em infecções adquiridas na comunidade em todo o mundo. O manejo das diverticulites complicadas, seguindo a classificação proposta por Hinchey, deve ser feito segundo os fluxogramas a seguir:

Fluxograma do manejo inicial da diverticulite complicada. Fonte: Parente & Rama 2022
Fluxograma do manejo inicial da diverticulite complicada. Fonte: Parente & Rama 2022

Pacientes com peritonite purulenta ou fecal com instabilidade hemodinâmica devem ser submetidos a cirurgia de Hartmann (colostomia terminal com fechamento do coto distal do intestino grosso). Aqueles que estiverem estáveis podem ser submetidos a ressecção cirúrgica com anastomose primária com ou sem estoma derivativo

Todos aqueles com abscesso menor de 4cm devem ser submetidos a drenagem percutânea ou cirurgia. Por fim, após a conclusão terapêutica, todos os pacientes devem ser submetidos a observação colônica de forma precoce no período de 4 a 6 semanas.

{{banner-cta-blog}}

Conclusão

A diverticulite aguda é uma condição inflamatória do cólon associada à presença de divertículos, ocasionando sintomas graves e instabilidade hemodinâmica. O diagnóstico precoce e o tratamento adequado são essenciais para evitar complicações e a classificação de Hinchey é útil para manejar adequadamente esses casos. A sua prevenção envolve a adoção de uma dieta rica em fibras e a manutenção de um estilo de vida saudável.

Continue aprendendo:

FONTES:

  • Sartelli M, Weber DG, Kluger Y, Ansaloni L, Coccolini F, Abu-Zidan F, et al. 2020 update of the WSES guidelines for the management of acute colonic diverticulitis in the emergency setting. World J Emerg Surg. 2020 May 7;15(1):32. doi: 10.1186/s13017-020-00313-4. PMID: 32381121; PMCID: PMC7206757
  • Salles RL. Doença diverticular dos cólons e diverticulite aguda: o que o clínico deve saber. Revista Médica de Minas Gerais. 2022
  • Parente D, Rama N. Diverticulite aguda complicada. Revista Portuguesa de Coloproctologia. 2022. p 33-29 MSDMANUALS 
  • Covino M, Papa V, Tursi A, Simeoni B, Lopetuso LR, Vetrone LM, et al. Development and validation of predictive assessment of complicated diverticulitis score. J Pers Med. 2021;11:80. doi: 10.3390/jpm11020080
  • Naves AA, D’Ippolito G, Souza LRMF, Borges SP, Fernandes GM. O que o radiologista deve saber na avaliação tomográfica da diverticulite aguda dos cólons. Radiol Bras. 2017 Mar/Abr;50(2):126–131
  • Jacobs DO. Clinical practice. Diverticulitis. N Engl J Med. 2007 Nov 15;357(20):2057-66. doi: 10.1056/NEJMcp073228. PMID: 18003962

Assine o medclub e tenha acesso a um mundo de informações médicas

Aproveite por 30 dias gratuitamente e após esse período pague apenas R$29,90 por mês.

Artigo escrito por

Comece agora e tenha acesso a um mundo de informações médicas

Aproveite por 30 dias gratuitamente e após esse período pague apenas R$29,90 por mês.

Dúvidas?

O que é o MedClub?

O medclub é uma plataforma 100% online e responsiva focada no desenvolvimento e capacitação profissional dos médicos. Com videoaulas e materiais de apoio de alta qualidade, o médico é alavancado em uma dinâmica simples, clara e objetiva de atualização e aprimoramento dos conhecimentos essenciais à sua prática.

Como o MedClub pode me beneficiar?

O Medclub te proporciona a aplicabilidade prática da Medicina Baseada em Evidências, elevando o padrão da sua prática médica. Tudo isso em um só lugar, sem perda de tempo, com informações claras e fáceis de achar no dia a dia.

O MedClub beneficia médicos de diferentes níveis de experiência?

Sim! O MedClub foi cuidadosamente concebido e desenvolvido com o objetivo de simplificar o estudo e a atualização médica, proporcionando maior segurança nas práticas e procedimentos. Nossa plataforma visa melhorar os resultados diários dos médicos, abordando as principais preocupações independentemente do estágio de sua carreira.

Existe um prazo de garantia?

Com certeza! No MedClub, estamos comprometidos com você. Por isso, disponibilizamos 30 dias corridos gratuitos antes de qualquer pagamento ser debitado em sua conta, garantindo que sua assinatura entre em vigor apenas quando você estiver pronto.

Como faço para cancelar minha assinatura?

Ao iniciar sua assinatura no MedClub, você terá a flexibilidade de cancelá-la a qualquer momento diretamente na plataforma, podendo também cancelar entrando em contato com nossa equipe de suporte ou enviando um e-mail para contato@med.club.

Nós utilizamos cookies. Ao navegar no site estará consentindo a sua utilização. Saiba mais sobre o uso de cookies.