Pneumologia
Pneumologia

Hemoptise: o que é, causas, diagnóstico e tratamento

Logo Medclub
Equipe medclub
Publicado em
6/7/2023
 · 
Atualizado em
7/7/2023
Índice

A hemoptise é um sintoma comum entre diversas condições respiratórias, que surge a partir de rupturas em vasos traqueais, brônquicos ou pulmonares. Ela pode ser classificada como leve ou maciça, sendo esta última mais rara e apresentando risco de vida, pois pode gerar instabilidade hemodinâmica e obstrução de vias aéreas.

É necessário conhecer as possíveis etiologias e exames complementares que devem ser solicitados para realizar o correto diagnóstico e manejar os pacientes de forma adequada.

O que é Hemoptise?

A hemoptise é um sintoma caracterizado pela tosse com sangue proveniente das vias aéreas inferiores (pulmão, traqueia ou brônquios). É importante distingui-la da pseudohemoptise, que é a presença de sangue proveniente do trato gastrointestinal, e do termo hemoptoico, que é utilizado para descrever tosse com sangue independente da origem (vias aéreas superiores, inferiores ou outro trato).

A hemoptise pode ser classificada em maciça e não maciça, dependendo da quantidade de sangue expectorada. A hemoptise maciça é caracterizada pela expulsão de uma grande quantidade de sangue, mais de 100 mL em 24 horas, o que pode levar a complicações potencialmente fatais, como insuficiência respiratória aguda e choque

A hemoptise não maciça refere-se à tosse de pequenas quantidades de sangue. Apesar de não gerar grandes repercussões por si só, pode ser indicativo de uma doença subjacente grave, como câncer de pulmão, devendo sempre ser investigada.

Para você ficar sabendo todos os detalhes temos uma aula exclusiva que trata desse assunto, confira no nosso streaming de atualização médica. O Medclub Prime tem um preço que cabe no seu bolso e vai te manter atualizado, o que é muito importante para o seu dia-a-dia

Fisiopatologia 

A hemoptise ocorre devido à ruptura de vasos sanguíneos no trato respiratório inferior, resultando no extravasamento de sangue. O tipo não-maciça muitas vezes é decorrente de rupturas de capilares traqueobrônquicos por tosse vigorosa em infecções leves.

As artérias pulmonares, que são derivadas do ventrículo direito do coração, costumam ter uma pressão arterial baixa, então quando há sangramentos com origem nesses vasos, geralmente são de pequena quantidade e não são ameaçadores à vida. 

Enquanto isso, as artérias brônquicas (origem na aorta e artérias intercostais) possuem uma pressão arterial alta, sendo assim, sangramentos desses vasos podem ser de grande quantidade. A grande perda sanguínea pode resultar em choque hemodinâmico e o preenchimento dos alvéolos por sangue dificulta a troca gasosa, sendo potencialmente fatal ao indivíduo.

Etiologias

A hemoptise pode ser causada por uma ampla variedade de condições, incluindo neoplasias, infecções, coagulopatias, bronquite, fibrose cística, doenças reumáticas ou genéticas, trauma, entre outras. Abaixo, veja uma tabela mais extensa das possíveis etiologias.

Afecções das vias aéreas Bronquite
Fibrose cística
Aspiração de corpo estranho
Neoplasias Neoplasias brônquicas malignas: carcinoma broncogênico, carcinoma endobronquial metastático, sarcoma de Kaposi
Neoplasias brônquicas benignas: hemangioma e adenoma
Infecções Infecções fúngicas: Aspergilose e micetoma
Infecções bacterianas: tuberculose, leptospirose, yersínia pestis, anthrax, tularemia
Infecções virais: herpes simples, dengue, ebola
Infecções parasitárias: estrongiloidíase, paragonimíase
Abscesso pulmonar
Pneumonia necrotizante
Doenças reumáticas Doença de Goodpasture
Síndrome do anticorpo antifosfolípide
Lúpus eritematoso sistêmico
Doenças pulmonares vasculares Embolia pulmonar
Insuficiência cardíaca congestiva
Estenose mitral
Malformação de vasos pulmonares
Fístula broncovascular
Aneurisma arterial
Coagulopatias Medicações anticoagulantes ou antiplaquetárias
Coagulação intravascular disseminada
Doença de Von Willebrand
Trombocitopenias
Disfunção plaquetária
Trauma Trauma contuso ou penetrante
Trauma iatrogênico após procedimentos torácicos
Outras causas EVALI (lesão pulmonar associada a cigarro eletrônico e vapes)
Uso de cocaína
Síndrome de Ehlers-Danlos
Hemoptise criptogênica (a maioria dos indivíduos é fumante)
Etiologias da hemoptise. Fonte: Adaptação da tabela do lecturio/ Reprodução Medclub / Beatriz Lages Zolin

Entre essas etiologias, a mais comum é a bronquite, que cursa com hemoptise leve. A tuberculose, o carcinoma broncogênico, a aspergilose, o micetoma e a bronquiectasia relacionada a fibrose cística são as causas mais comuns de hemoptise maciça, mas é muito comum que causem hemoptise leve também (nenhuma etiologia causa somente sangramentos maciços).

Como deve ser realizado o diagnóstico? 

O diagnóstico requer uma abordagem cuidadosa, incluindo anamnese detalhada e exames diagnósticos. 

Anamnese

Durante a anamnese, o médico deve obter informações sobre os seguintes pontos:

  • Quantidade de sangue expectorado, frequência e duração;
  • Sintomas associados;
  • Comorbidades;
  • Exposição a fatores de risco (tabagismo, drogas, asbesto, parasitoses, procedimentos torácicos, uso de AINE’s e AAS); e
  • Avaliar outros sinais e sintomas que podem sugerir a causa subjacente.

Exames complementares

A broncoscopia é um exame complementar essencial para detectar o sangramento advindo das vias aéreas inferiores. Fonte: Reprodução/AdobeStock
A broncoscopia é um exame complementar essencial para detectar o sangramento advindo das vias aéreas inferiores. Fonte: Reprodução/AdobeStock

Exames complementares são necessários para identificar a causa da hemoptise. Isso pode incluir:

  • Radiografia de tórax;
  • Tomografia computadorizada (TC) de tórax;
  • Angiotomografia; 
  • Broncoscopia; 
  • Exames de sangue (hemograma, coagulograma, função renal, hepatograma e gasometria) e;
  • Em alguns casos, biópsia pulmonar. 

A TC de tórax é mais sensível na detecção de anormalidades do que o RX e pode fornecer informações mais detalhadas sobre a localização e extensão da lesão pulmonar. A broncoscopia permite visualizar diretamente as vias aéreas e, se necessário, realizar biópsias ou procedimentos terapêuticos, como a embolização de vasos sanguíneos para controlar o sangramento.

Se você quiser saber mais sobre este assunto acesse o nosso streaming de atualização médica, para assistir de onde e quando quiser. Sabe aquela dúvida que aparece no meio do plantão!? Os conteúdos atualizados do Medclub prime podem te ajudar a obter ainda mais êxito na sua prática médica

Tratamento da hemoptise

O manejo da hemoptise depende da causa subjacente e da gravidade do sangramento. 

Hemoptise maciça

Manejo da hemoptise maciça. CXR: raio X de tórax; MDCTA: angiotomografia; Fonte: Larici et al. Diagnosis and management of hemoptysis 2014
Manejo da hemoptise maciça. CXR: raio X de tórax; MDCTA: angiotomografia; Fonte: Larici et al. Diagnosis and management of hemoptysis 2014

Nesses casos, a prioridade é estabilizar o paciente, garantindo via aérea pérvia e ressuscitação volêmica. Após isso, realizar broncoscopia para diagnóstico e terapia mais profunda. Fornecer ácido tranexâmico para promover coagulação.

Em situações de risco iminente de insuficiência respiratória ou choque ou de hemoptise não controlada, a intervenção cirúrgica urgente pode ser necessária (ressecção de neoplasias, tratamento de fístulas ou malformações vasculares, remoção de corpos estranhos).

Hemoptise não-maciça

Manejo da hemoptise não maciça. CXR: raio X de tórax; MDCTA: angiotomografia; Fonte: Larici et al. Diagnosis and management of hemoptysis 2014
Manejo da hemoptise não maciça. CXR: raio X de tórax; MDCTA: angiotomografia; Fonte: Larici et al. Diagnosis and management of hemoptysis 2014

Para este tipo, o tratamento é direcionado para controlar o sangramento e tratar a causa subjacente (antibiótico para infecções, anticoagulantes para embolia ou cirurgia para bronquiectasias). Medidas gerais podem incluir repouso, administração de medicamentos para controlar a tosse e diminuir a irritação das vias aéreas, além de evitar substâncias irritantes, como cigarro. 

Conclusão

Em resumo, a hemoptise é um sintoma alarmante que requer avaliação cuidadosa e diagnóstico preciso. É essencial identificar a causa subjacente e determinar a gravidade do sangramento para guiar o tratamento adequado. O manejo da hemoptise envolve desde medidas de suporte para casos maciços até o tratamento específico para cada condição subjacente. 

Continue aprendendo:

FONTES:

  • Lecturio 
  • Larici et al. Diagnosis and management of hemoptysis 2014

Assine o medclub e tenha acesso a um mundo de informações médicas

Aproveite por 30 dias gratuitamente e após esse período pague apenas R$29,90 por mês.

Artigo escrito por

Comece agora e tenha acesso a um mundo de informações médicas

Aproveite por 30 dias gratuitamente e após esse período pague apenas R$29,90 por mês.

Dúvidas?

O que é o MedClub?

O medclub é uma plataforma 100% online e responsiva focada no desenvolvimento e capacitação profissional dos médicos. Com videoaulas e materiais de apoio de alta qualidade, o médico é alavancado em uma dinâmica simples, clara e objetiva de atualização e aprimoramento dos conhecimentos essenciais à sua prática.

Como o MedClub pode me beneficiar?

O Medclub te proporciona a aplicabilidade prática da Medicina Baseada em Evidências, elevando o padrão da sua prática médica. Tudo isso em um só lugar, sem perda de tempo, com informações claras e fáceis de achar no dia a dia.

O MedClub beneficia médicos de diferentes níveis de experiência?

Sim! O MedClub foi cuidadosamente concebido e desenvolvido com o objetivo de simplificar o estudo e a atualização médica, proporcionando maior segurança nas práticas e procedimentos. Nossa plataforma visa melhorar os resultados diários dos médicos, abordando as principais preocupações independentemente do estágio de sua carreira.

Existe um prazo de garantia?

Com certeza! No MedClub, estamos comprometidos com você. Por isso, disponibilizamos 30 dias corridos gratuitos antes de qualquer pagamento ser debitado em sua conta, garantindo que sua assinatura entre em vigor apenas quando você estiver pronto.

Como faço para cancelar minha assinatura?

Ao iniciar sua assinatura no MedClub, você terá a flexibilidade de cancelá-la a qualquer momento diretamente na plataforma, podendo também cancelar entrando em contato com nossa equipe de suporte ou enviando um e-mail para contato@med.club.

Nós utilizamos cookies. Ao navegar no site estará consentindo a sua utilização. Saiba mais sobre o uso de cookies.