Endocrinologia

Dietas e medicações para perda de peso: um update

Logo Medclub
Equipe med.club
24/8/2022
Compartilhe este artigo

A obesidade pode ser definida como um acúmulo excessivo de gordura no organismo e é associada a doenças cardiovasculares, síndrome metabólica, câncer e infecção por Sars-Cov-2 grave. Uma perda de peso de 5-10% mostrou-se suficiente para induzir redução desses fatores de risco. A prevalência de obesidade vem aumentando, tornando-se um fator alarmante para a saúde pública, fazendo-se necessária a revisão de métodos para perda de peso. Para isso, há desenvolvimento de dietas para rápida perda de peso, como a LFD (low fat diet, com percentual de gordura escasso), a LCD (low carbohidrate diet, pobre em carboidratos. Possui as variantes da dieta de Atkins e Cetogênica), a Mediterrânea e o jejum intermitente.

Existem diversos hormônios envolvidos na orexia (grelina) e saciedade (principalmente pelo GLP-1) e o corpo resiste a ter qualquer perda de peso, por isso é difícil para seguir dietas. Essa mesma situação é diferente após uma cirurgia bariátrica, pois, ao desviar o caminho dos alimentos, os hormônios da saciedade são ativados mais rapidamente. Porém, a cirurgia não é indicada para todos os pacientes, assim como medicações anorexígenas. 

Uma boa dieta para perda de peso deve conter déficit energético adequado, equilíbrio aceitável entre os macronutrientes (carboidratos, lipídios e proteínas) e deve ser de “fácil” aderência. A LFD induz a uma boa perda de peso a curto prazo (a longo prazo é semelhante à LCD), reduzindo o colesterol e prevenindo doenças cardiovasculares, mas, os níveis de glicose pós-prandial com essa dieta costumam ser elevados. O uso de Orlistate melhora a aderência a essa dieta e gera uma maior perda de peso, mas, assim como qualquer medicação para perda de peso, só é recomendada após 1 ano tentando mudança de estilo de vida e IMC maior que 30 (27 se tiver comorbidades associadas), além de poder gerar alguns efeitos colaterais como diarreia e esteatorreia.

A very low fat diet (dieta de Ornich) é de difícil aderência e não possui diferença significativa de perda de peso comparando com outras dietas. A LCD induz uma maior redução da grelina, quando comparada à LFT e mantém níveis apropriados de GLP-1, suprimindo mais a fome, é muito recomendada para pacientes com diabetes. Sua variante cetogênica (LCD, rica em lipídios) pode gerar cefaleia, câimbras, fraqueza muscular e aumento de colesterol, assim, não sendo muito recomendada. A dieta de atkins (LCD rica em proteínas) é mais benéfica. A LFD e LCD são indicadas por até 6-12 meses.

A dieta mediterrânea possui ótimos resultados a curto e longo prazo, sendo uma boa opção de dieta permanente; é rica em vegetais, frutas e cereais, possuindo correto equilíbrio de macronutrientes e com menos gordura saturada. A dieta paleolítica é fundamentada na dieta de ancestrais, rica em proteínas; gera uma modulação benéfica da microbiota intestinal, mas não comprovou ser mais eficiente que outras dietas, além de ser de maior custo. O jejum intermitente é uma técnica que ainda não possui muitos estudos, mas provou ser tão eficiente quanto outras dietas, reduzindo resistência insulínica e marcadores inflamatórios. Nessa técnica há períodos regulares de baixa ou nenhuma ingestão calórica em alguns dias da semana (não consecutivos), sendo mais famoso o de tempo 5:2 (5 dias da semana com dieta balanceada e dois com pouca ingesta calórica).

Além do Orlistate, há outras medicações para perda de peso. A liraglutida (agonista de GLP-1) é uma medicação feita para diabetes, mas provou induzir perda de peso e atualmente pode ser indicada junto com as dietas. A bupropiona-nalternoxe é indicada para pacientes com distúrbios alimentares, mas pode gerar cefaléia, insônia, ansiedade e constipação. O uso do topiramato + fentamina (permitida apenas nos estados unidos) também gera perda de peso, mas possui muitos efeitos adversos, os mesmos da bupropiona-naltrexone, mas também parestesias, perda de memória, sonolência e mudanças de humor. Mesmo com essas medicações disponíveis no mercado, o fator essencial para perda de peso e saúde do paciente são as dietas.

Fonte: UpToDate

Continue Aprendendo:

Compartilhe este artigo