Clínica Médica
Clínica Médica

Derrame pleural: etiologias, sinais e sintomas e tratamento

Logo Medclub
Equipe medclub
Publicado em
24/7/2023
 · 
Atualizado em
25/7/2023
Índice

O derrame pleural é o acúmulo anormal de líquido no espaço pleural. Ele ocorre devido a diversas etiologias, e pode causar intenso desconforto no paciente. Neste texto, será discorrido a importância da diferenciação entre transudato e exsudato, bem como a técnica para realizar toracocentese, e como interpretar a análise bioquímica do líquido pleural.

Fisiologia

Fonte: Medicina - Mitos e Verdades; link da fonte: https://www.medicinamitoseverdades.com.br/blog/causas-e-sintomas-do-derrame-pleural
Fonte: Medicina - Mitos e Verdades

O espaço pleural está localizado entre os pulmões e a parede torácica, e entre as pleuras visceral e parietal há uma camada muito fina de líquido. Esse líquido adentra o espaço pleural através de finos capilares que perpassam a pleural parietal, e é continuamente drenado pelos canais linfáticos, também localizados na pleural parietal.

Entretanto, o líquido também pode adentrar o espaço pleural a partir do espaço intersticial pulmonar, bem como através da cavidade peritoneal, a partir de pequenos orifícios existentes no diafragma que permite sua passagem. Todavia, os canais linfáticos absorvem o líquido 20 vezes mais rápido do que este é produzido.

Portanto, o derrame pleural ocorre quando há uma produção excessiva de líquido pleural, através dos espaços pulmonares, da pleural parietal ou da cavidade peritoneal, ou quando há uma redução na velocidade de remoção do líquido pelos vasos linfáticos localizados na pleural parietal.

Quais são as causas de derrame pleural?

O derrame pleural pode ser classificado em exsudato e transudato. O transudato é formado devido a alterações sistêmicas que comprometem o balanço de produção e absorção do líquido, e tem como principais causas a insuficiência ventricular esquerda e a cirrose.

Já o derrame pleural exsudativo pode surgir devido a pneumonias bacterianas, neoplasias malignas, infecções virais e embolias pulmonares. E mais, o tromboembolismo pulmonar (TEP), doenças autoimunes e o quilotórax. Observe a tabela abaixo com as principais causas.

TRANSUDATO EXSUDATO
Insuficiência cardíaca Pneumonia
Síndrome nefrótica Malignidade
Cirrose hepática Tuberculose
TEP (20%) TEP (80%)
Diálise peritoneal Doenças autoimunes
Hipoalbuminemia Quilotórax
Hidrotórax hepático Hipotireoidismo
Nefropatias Drogas
Ellen Kosminsky/Medclub

Sinais e sintomas de derrame pleural

Os principais sinais e sintomas do derrame pleural são a dor torácica tipo pleurítica, sendo caracterizada pela piora da dor com a inspiração. Além disso, são sintomas comuns a dispneia, que pode estar presente a depender da extensão do derrame pleural e da reserva cardiopulmonar do paciente e a tosse, que comumente é seca.

Por fim, a trepopneia, que é definida pela preferência do indivíduo em deitar-se para o lado do pulmão acometido pelo derrame - a fim de facilitar a respiração pelo pulmão saudável - também pode estar presente.

Ao exame físico, pode ser possível observar diminuição ou abolição do murmúrio vesicular, redução do frêmito toracovocal e egofonia. Sendo esse sintoma caracterizado pela presença de som mais abafado à ausculta no local acometido. E mais, pode haver macicez à percussão, abaulamento do hemitórax e desvio do ictus e da traqueia.

Para você ficar sabendo todos os detalhes temos uma aula exclusiva que trata desse assunto, confira no nosso streaming de atualização médica. O Medclub Prime tem um preço que cabe no seu bolso e vai te manter atualizado, o que é muito importante para o seu dia-a-dia

Diagnóstico e tratamento do derrame pleural

Todo paciente com suspeita de derrame pleural deve ser submetido a um exame de imagem do tórax para diagnosticar a sua extensão. A ultrassonografia (USG) é um exame melhor que a radiografia de tórax em decúbito lateral (incidência de Lawrell) para avaliação da suspeita do problema, e muito útil como guia para a toracocentese.

USG demonstrando um derrame pleural. DP = derrame pleural; T = parede torácica. Fonte: Scielo; link da fonte: https://www.scielo.br/j/jbpneu/a/vKCk7TwXRn34RwMyTHRgK3c/?lang=pt#ModalFigf05
USG demonstrando um derrame pleural. DP = derrame pleural; T = parede torácica. Fonte: Scielo

Na incidência de Lawrell, o paciente é posicionado em decúbito lateral no hemitórax acometido, sendo essa a incidência mais sensível para visualizar o derrame. Nesse caso, observa-se a lâmina de líquido formar uma linha no hemitórax, e se ela apresentar pelo menos 10mm (1cm), há pelo menos 200 a 300 mL de líquido no espaço pleural, a toracocentese diagnóstica está autorizada.

Incidência de Lawrell. Fonte: Pneumoimagem; link da foto: https://www.pneumoimagem.com.br/imagem/derrame-pleural/posicao-de-hjelm-laurell-390
Incidência de Lawrell. Fonte: Pneumoimagem

Para mais, na incidência em PA, observa-se presença de obliteração do seio costofrênico, que ocorre quando há presença de 175 a 200mL de líquido no espaço pleural. Em derrames pleurais mais extensos, pode ser possível observar a parábola de Damoiseau.

Raio-X de tórax com velamento do seio costofrênico (seta amarela) e parábola de Damoiseau (seta vermelha). Fonte: Pneumoimagem; link da fonte: https://www.pneumoimagem.com.br/imagem/derrame-pleural/derrame-pleural-147#gsc.tab=0/
Raio-X de tórax com velamento do seio costofrênico (seta amarela) e parábola de Damoiseau (seta vermelha). Fonte: Pneumoimagem

Já na incidência em perfil, há maior sensibilidade para detecção, permitindo visualizar derrames de 75 a 100mL. Nessa incidência, observa-se obliteração do seio costofrênico posterior. Por fim, após a descoberta do problema, deve-se avaliar sua causa.

Assim, o primeiro passo é avaliar se o líquido pleural é um transudato ou exsudato. Isso porque a diferenciação entre ambos os tipos de líquido são fundamentais para indicação de exames adicionais, a fim de definir sua etiologia. Dessa forma, torna-se fundamental a realização da toracocentese.

Como realizar a toracocentese?

A toracocentese é um exame importante para esclarecer a etiologia. Assim, está indicada em pacientes com derrame pleural novo e sem causa aparente. Entretanto, é contraindicada quando houver quantidade de líquido insuficiente para realizar a coleta e em sítios de infecção de pele e em casos de diátese hemorrágica.

Além disso, a toracocentese pode ser diagnóstica ou terapêutica, ou ambas. E mais, pode ser realizada em caráter eletivo ou de urgência, como por exemplo por causa de um pneumotórax hipertensivo. Observe a tabela abaixo com os equipamentos necessários para a realização desse procedimento.

EQUIPAMENTO NECESSÁRIO PARA REALIZAÇÃO DA TORACOCENTESE
Luva e campo estéril
Máscara e gorro
Catéter de 8F sobre agulha (16 a 20)
Válvula de 3 vias (Three-way)
Seringas de 10mL (para anestesia) e 60mL (para coleta do material)
Antisséptico e lidocaína
Agulhas de calibre 22 e 25
Tubo de drenagem estéril e coletor
Tubos para análise
Curativo oclusivo e estéril
Fonte: Procedimentos médicos: técnica e tática, 2016< /figcaption>

O procedimento pode ser realizado em centro cirúrgico ou à beira leito. O paciente deve estar sentado sobre a superfície, com os braços apoiados sobre uma mesa. Objetiva-se que a punção seja realizada abaixo da escápula, ao nível do 10º espaço intercostal.

Entretanto, em pacientes impossibilitados de sentar-se, ele pode ser realizado em decúbito dorsal e com a cabeceira elevada, ao nível do 7º espaço intercostal, entre a linha axilar média e posterior. A anestesia deve ser feita com lidocaína a 2%, sem vasoconstritor.

Para mais, devido ao feixe neurovascular (nervo, artérias e veias intercostais) estarem situados na borda inferior das costelas, a punção da toracocentese deve ser feita na borda superior da costela inferior. A agulha deve ser introduzida sob pressão negativa, até que seja aspirado o líquido da cavidade pleural.

Feixe neurovascular. Fonte: WikiDoc; link da fonte: https://wikidoc.org/index.php/WBR0934
Feixe neurovascular. Fonte: WikiDoc

Após a saída do líquido pleural, deve-se introduzir a agulha Intracath e, posteriormente, o cateter, que deve ser fenestrado para facilitar a drenagem. Após a coleta do líquido para análise, pode-se conectar o equipo ao Intracath, e esse ao frasco a vácuo, permitindo que o líquido seja drenado pela gravidade. Assista ao vídeo abaixo.

Por fim, não existe volume máximo de líquido pleural a ser drenado. Entretanto, em drenagens de grande volume, recomenda-se a retirada do líquido de forma lenta, com objetivo de prevenir o surgimento de edema de reexpansão pulmonar

As complicações mais frequentes são a dor torácica progressiva à saída do líquido, tosse intensa e dispneia. Além disso, o paciente pode apresentar náuseas e tontura, devido a ativação do reflexo vasovagal. Esses sintomas podem ser revertidos com a retirada gradual do líquido da pleural ou com a colocação de cateter de O2 nasal.

Se você quiser saber mais sobre este assunto acesse o nosso streaming de atualização médica, para assistir de onde e quando quiser. Sabe aquela dúvida que aparece no meio do plantão!? Os conteúdos atualizados do Medclub prime podem te ajudar a obter ainda mais êxito na sua prática médica

Análise do líquido pleural

A análise laboratorial do líquido pleural consiste na avaliação da bioquímica, diferencial citológico e citologia oncótica. E mais, na identificação do pH, dos níveis de adenosina deaminase (ADA) e da cultura geral e coloração Gram. Também é feita uma pesquisa e cultura para BAAR (bacilo álcool-ácido resistente), fungos e antibiograma.

Entretanto, inicialmente, realiza-se a análise macroscópica do líquido. A presença de odor fétido aumenta as suspeitas de bactérias anaeróbicas. Além disso, a coloração do líquido também oferece informações importantes. Caso esse seja sero-fibrinoso, aumenta-se as suspeitas de um conteúdo celular ou lipídico.

Para mais, caso seja sero-hemático ou hemático, há maiores propensões para um derrame pleural devido a um tromboembolismo pulmonar (TEP), câncer ou traumas. E ainda, caso apresente aspecto purulento, corresponde a um empiema e, se apresenta aspecto leitoso, tem característica de um quilotórax. Por fim, a coloração seroso/citrino representa um achado inespecífico.

Observe as diferentes colorações do derrame pleural. Em A: derrame pleural hemático decorrente de uma metástase pleural; em B: quilotórax devido a obstrução do ducto torácico por broncocarcinoma; em C: transudato pleural. Fonte: Infectologia Clínica Médica; link da fonte: https://www.mspbs.gov.py/dependencias/imt/uploads/Documento/derrame.pdf
Observe as diferentes colorações do derrame pleural. Em A: derrame pleural hemático decorrente de uma metástase pleural; em B: quilotórax devido a obstrução do ducto torácico por broncocarcinoma; em C: transudato pleural. Fonte: Infectologia Clínica Médica
Análise bioquímica

A análise bioquímica é o primeiro passo na avaliação do líquido pleural, pois permite a diferenciação entre transudato e exsudato. Essa distinção é fundamental porque a presença de transudato indica que a pleural está normal, e que está ocorrendo um desequilíbrio entre as pressões hidrostática e oncótica. Já a presença de exsudato indica que a pleural está sendo diretamente afetada.

Para fazer essa diferenciação, utilizam-se os critérios de Light, dispostos abaixo:

  • Proteínas totais do líquido pleural/sangue > 0,5
  • DHL pleural/sangue > 0,6
  • DHL pleural > 2/3 do limite superior normal do DHL sérico

Caso o indivíduo não preencha nenhum desses critérios, o problema é considerado do tipo transudato. Entretanto, se apresenta ao menos um desses critérios, o líquido pleural é considerado um exsudato. Todavia, entre 15% e 25% dos derrames pleurais exsudativos são erroneamente classificados como transudatos, sendo essa situação comum na insuficiência cardíaca.

Nesses casos, é possível realizar o gradiente soro-pleural de proteínas, que deve ser > 3,1 g/dL, ou o gradiente soro-pleural de albumina, que deve ser > 1,2 g/dL. Assim, nos casos transudativos, realiza-se o tratamento da doença de base. Entretanto, nos casos exsudativos, deve-se prosseguir com a investigação etiológica.

Ainda sobre a análise bioquímica, derrames pleurais com glicose baixa (< 60 mg/dL) e pH baixo (<7,3) indicam provável presença de neutrófilos, visto que esses atuam consumindo a glicose do líquido pleural e produzindo ácido lático, devido ao seu metabolismo anaeróbico.

Esses achados são comuns em derrames parapneumônicos complicados e em empiemas, bem como no derrame maligno e na tuberculose (TB) pleural. E mais, também pode estar presente em pacientes com lúpus eritematoso sistêmico (LES), na ruptura esofágica e na artrite reumatóide (AR).

A presença de amilase elevada (> 200/L) pode estar presente em pacientes com comprometimento pancreático (pancreatite, câncer de pâncreas ou cisto hepático), ruptura esofágica ou câncer de pulmão. E mais, a ADA > 40 a 60 U/L é muito útil no diagnóstico de tuberculose e, quando associada ao predomínio de linfomononucleares, aumenta ainda mais as suspeitas.

Celularidade e hematócrito

O hematócrito pleural/sérico > 0,5 define a presença de hemotórax. E mais, a depender do predomínio celular, pode-se direcionar o raciocínio diagnóstico para determinada etiologia. Observe a tabela abaixo com as principais condições associadas ao tipo celular presente.

TIPOS DE CÉLULAS ETIOLOGIAS PROVÁVEIS
Neutrófilos Derrame pleural parapneumônico, TEP, TB inicial, pancreatite, colagenoses
Linfomononucleares (>50%) Neoplasias e TB
Eosinófilos (> 10%) Asbestose, drogas, linfoma, sangue, ar, parasitose
Fonte: Ellen Kosminsky/ Medclub

Conclusão

O derrame pleural é uma condição muito comum, e o médico generalista irá inevitavelmente deparar-se com um durante sua formação médica, nas enfermarias e nos departamentos de emergência. Por isso, faz-se necessário o conhecimento de como realizar uma toracocentese, bem como identificar os principais achados que podem ser evidenciados na análise bioquímica do líquido pleural.

Continue aprendendo:

FONTES:

  • AMATO, A. C. K. Procedimentos médicos: técnica e tática. 2ª ed. Rio de Janeiro: Roca, 216
  • FAUCI, Jameson. et al. Medicina Interna de Harrison. Porto Alegre: AMGH, 2020

Assine o medclub e tenha acesso a um mundo de informações médicas

Aproveite por 30 dias gratuitamente e após esse período pague apenas R$29,90 por mês.

Artigo escrito por

Comece agora e tenha acesso a um mundo de informações médicas

Aproveite por 30 dias gratuitamente e após esse período pague apenas R$29,90 por mês.

Dúvidas?

O que é o MedClub?

O medclub é uma plataforma 100% online e responsiva focada no desenvolvimento e capacitação profissional dos médicos. Com videoaulas e materiais de apoio de alta qualidade, o médico é alavancado em uma dinâmica simples, clara e objetiva de atualização e aprimoramento dos conhecimentos essenciais à sua prática.

Como o MedClub pode me beneficiar?

O Medclub te proporciona a aplicabilidade prática da Medicina Baseada em Evidências, elevando o padrão da sua prática médica. Tudo isso em um só lugar, sem perda de tempo, com informações claras e fáceis de achar no dia a dia.

O MedClub beneficia médicos de diferentes níveis de experiência?

Sim! O MedClub foi cuidadosamente concebido e desenvolvido com o objetivo de simplificar o estudo e a atualização médica, proporcionando maior segurança nas práticas e procedimentos. Nossa plataforma visa melhorar os resultados diários dos médicos, abordando as principais preocupações independentemente do estágio de sua carreira.

Existe um prazo de garantia?

Com certeza! No MedClub, estamos comprometidos com você. Por isso, disponibilizamos 30 dias corridos gratuitos antes de qualquer pagamento ser debitado em sua conta, garantindo que sua assinatura entre em vigor apenas quando você estiver pronto.

Como faço para cancelar minha assinatura?

Ao iniciar sua assinatura no MedClub, você terá a flexibilidade de cancelá-la a qualquer momento diretamente na plataforma, podendo também cancelar entrando em contato com nossa equipe de suporte ou enviando um e-mail para contato@med.club.

Nós utilizamos cookies. Ao navegar no site estará consentindo a sua utilização. Saiba mais sobre o uso de cookies.