Infectologia
Infectologia

Dengue: fisiopatologia, tipos, sintomas e tratamentos

Logo Medclub
Equipe medclub
Publicado em
9/2/2024
 · 
Atualizado em
14/2/2024
Índice

O vírus da dengue pertence à família Flaviviridae e ao gênero Flavivirus, sendo composto por pelo menos quatro tipos distintos (Tipo 1, 2, 3 e 4). A transmissão epidêmica e endêmica desses vírus ocorre por meio de um ciclo humano-mosquito-humano. A infecção ocorre após a picada de uma fêmea infectada, sendo iniciado o período de viremia após um período de incubação de quatro a seis dias.

Os mosquitos Aedes aegypti, principais vetores de transmissão do vírus da dengue, possuem características que os tornam propensos à disseminação do vírus. Eles se reproduzem em recipientes de água artificiais e naturais, muitas vezes próximos às residências, têm uma distância de voo relativamente curta e realizam frequentemente múltiplas refeições sanguíneas em um único ciclo reprodutivo. 

A infecção primária com um dos quatro sorotipos do patógeno geralmente fornece imunidade duradoura à infecção por um vírus do mesmo sorotipo. Em contraste, a imunidade aos outros sorotipos é transitória e os indivíduos podem subsequentemente ser infectados com outro sorotipo.

{{banner-cta-blog}}

Fisiopatologia 

O vazamento de plasma ocorre devido a um aumento na permeabilidade capilar, aparentemente devido à disfunção das células endoteliais e não à lesão. Múltiplos fatores circulantes como óxido nítrico, TNF-alfa, interferon (IFN)-gama, interleucina (IL)-2, IL-8, fator de crescimento endotelial vascular (VEGF) e complemento induzem o aumento transitório da permeabilidade capilar.

Além disso, a leucopenia, trombocitopenia e diátese hemorrágica são os achados hematológicos típicos durante a infecção.  Acredita-se que represente um efeito direto do vírus da dengue na medula óssea.

Apesar de a trombocitopenia ser comum, níveis abaixo de 100.000 plaquetas/mm 3 são considerados critérios ​​para definição da febre hemorrágica da dengue (FHD).  Acredita-se que a adsorção de vírions da infecção ou complexos imunes vírus-anticorpos à superfície plaquetária, com subsequente ativação do complemento, seja responsável pela destruição plaquetária, chegando a valores menores que 20.000 células/mm 3.

As manifestações da diátese hemorrágica variam desde um teste do torniquete positivo até uma hemorragia com risco de vida. A FHD fatal pode estar associada a hemorragias petequiais difusas envolvendo estômago, pele, coração, intestino e pulmões.

Apesar da nomenclatura, a ocorrência de hemorragia não define a FHD, uma vez que um teste do torniquete positivo pode ocorrer com igual frequência nos dois distúrbios. Os achados patológicos típicos nos fígados de casos fatais incluem necrose hepatocelular e corpos de Councilman, semelhantes aos achados na infecção precoce pelo vírus da febre amarela.

Quais são as fases? 

A infecção pelo vírus da dengue consiste em três fases: 

Fase febril  

A fase febril dura de três a sete dias da infecção pelo vírus e é caracterizada por febre súbita de alto grau (≥38,5°C) acompanhada de dor de cabeça, vômitos, mialgia, artralgia e erupção macular transitória em alguns casos. As crianças têm febre alta, mas geralmente são menos sintomáticas que os adultos durante a fase febril.

Fase crítica

Nesta fase, quando a febre começa a abaixar, uma pequena proporção de pacientes (normalmente crianças e adultos jovens) desenvolve uma síndrome de vazamento vascular sistêmico, caracterizada por vazamento de plasma, sangramento, choque e comprometimento de órgãos. A fase crítica dura de 24 a 48 horas.

Fase de convalescença

Durante a fase de convalescença, o vazamento de plasma e a hemorragia desaparecem, os sinais vitais se estabilizam e os líquidos acumulados são reabsorvidos. A fase de recuperação normalmente dura de dois a quatro dias; os adultos podem sentir fadiga profunda por dias a semanas após a recuperação.

Quais os sintomas da dengue? 

A maioria das infecções resulta em sintomas leves, sendo as formas mais graves, como febre hemorrágica da dengue (FHD) e síndrome do choque da dengue (SSD), raras, ocorrendo em menos de 1% dos casos. A FHD pode ser desencadeada por qualquer sorotipo do vírus. A exposição prévia aumenta o risco de formas graves da doença, assim como menor idade, especialmente menores de 11 anos. 

A cefaleia, dor ocular e nas articulações ocorrem em 60% a 70% dos casos. A erupção cutânea, tipicamente macular ou maculopapular em face, tórax, abdômen e extremidades, ocorre em aproximadamente metade dos casos, sendo mais comum em infecções primárias, geralmente ocorrendo dois a cinco dias após o início da febre.  

Manifestações adicionais podem incluir sintomas gastrointestinais (incluindo anorexia, náusea, vômito, dor abdominal e diarreia) e sintomas do trato respiratório (tosse, dor de garganta e congestão nasal).

Manifestações hemorrágicas podem ser observadas na fase febril e/ou fase crítica. Sangramentos importantes da pele e/ou mucosas (gastrointestinais ou vaginais) podem ocorrer em adultos sem fatores precipitantes óbvios e apenas com vazamento plasmático menor. Petéquias (na pele e/ou palato) ou equimoses espontâneas podem ocorrer em aproximadamente metade dos pacientes.

Outras manifestações menos comuns incluem hematêmese, menorragia, melena e epistaxe. Comorbidades preexistentes, como a úlcera péptica, podem aumentar o risco de hemorragia. O exame físico pode demonstrar ainda injeção conjuntival, eritema faríngeo, linfadenopatia e hepatomegalia.

Como realizar o diagnóstico? 

O diagnóstico de dengue deve ser suspeitado em indivíduos febris com manifestações clínicas típicas e exposição epidemiológica relevante e o indivíduo deverá ser classificado em um dos grupos conforme o fluxograma abaixo. 

A prova do laço deve ser realizada inflando um manguito de pressão arterial no braço até o meio caminho entre as pressões arteriais sistólica e diastólica por cinco minutos.  Desenha-se então um quadrado de 2,5 cm no antebraço e conta-se o número de micro petéquias no quadrado. A prova será positiva em caso de 20 ou mais petéquias em adultos e 10 ou mais em crianças.

Fluxograma de atendimento inicial a pacientes com suspeita de dengue. Fonte: Ministério da Saúde
Fluxograma de atendimento inicial a pacientes com suspeita de dengue. Fonte: Ministério da Saúde

O diagnóstico é clínico, visto que em locais com epidemiologia favorável, o valor preditivo positivo dos critérios clínicos é alto. As apresentações clínicas iniciais de dengue, chikungunya e infecção pelo vírus Zika podem ser indistinguíveis, podendo ser diferenciada laboratorialmente.  

O diagnóstico laboratorial é estabelecido diretamente pela detecção de componentes virais no soro ou indiretamente por sorologia. A sensibilidade de cada abordagem depende da duração da doença do paciente. A detecção de ácido nucleico viral ou antígeno viral tem alta especificidade, mas é mais trabalhosa e cara; a sorologia tem menor especificidade, mas é mais acessível e menos dispendiosa.

Durante a primeira semana da doença, o diagnóstico da infecção pelo vírus da dengue pode ser estabelecido através da detecção de ácido nucléico viral no soro, utilizando a técnica de RT-PCR (geralmente positiva nos primeiros cinco dias da doença) ou pela detecção da proteína não estrutural 1 do antígeno viral (NS1; geralmente positiva nos primeiros sete dias da doença). 

A detecção da IgM pode ocorrer quatro dias após o início da doença, sendo amplamente utilizada para estabelecer um diagnóstico presuntivo em pacientes com sintomas consistentes. Para confirmação, é possível realizar o diagnóstico por meio da soroconversão IgM entre amostras pareadas da fase aguda e convalescente, obtidas 10 a 14 dias após a fase aguda.

{{banner-cta-blog}}

Tratamentos para a dengue 

O tratamento deve ser conduzido baseado na classificação do paciente (A, B, C ou D). 

Grupo A

Pacientes do grupo A devem seguir em acompanhamento ambulatorial, realizando hemograma a critério médico e iniciar hidratação oral 80ml/kg/dia, sendo 1/3 de solução salina oral e o restante com líquidos caseiros (água, sucos, chás...). Além disso, podem fazer uso de antieméticos, antitérmicos e analgésicos, se necessário.

Grupo B

Os pacientes do grupo B precisam fazer o hemograma obrigatoriamente e exames sorológicos/isolamento viral. A hidratação deve ser conduzida como no grupo A até sair o resultado dos exames e permanecer assim se estiver normal. Caso o hematócrito esteja aumentado em mais de 10% ou >44% em homens ou >50% em mulheres, o paciente deverá ficar em observação e a hidratação deverá ser supervisionada.

Para a hidratação de adultos, recomenda-se administrar 80ml/kg/dia, sendo 1/3 nas primeiras 4 horas, utilizando solução salina. A reavaliação clínica e do hematócrito deve ser feita após 4 horas da etapa de hidratação. Se houver aumento do hematócrito ou surgimento de sinais de alarme, a conduta do grupo C deve ser seguida; caso contrário, a do grupo A.

Grupo C e D

Pacientes do grupo C e D devem ser obrigatoriamente internados; o primeiro por no mínimo 48h e o segundo na unidade de terapia intensiva. Ambos devem realizar obrigatoriamente hemograma completo, dosagem de proteína, albumina, tipagem sanguínea, exame sorológico/isolamento viral.

Outros podem ser realizados conforme necessidade (gasometria, eletrólitos, transaminases, radiografia de tórax e ultrassonografia). O manejo terapêutico dos grupos C e D deve ser conduzido conforme o fluxograma abaixo proposto pelo Ministério da Saúde.

Manejo terapêutico de pacientes com dengue classificados no grupo C (amarelo) e do grupo D (Vermelho). Fonte: Ministério da Saúde
Manejo terapêutico de pacientes com dengue classificados no grupo C (amarelo) e do grupo D (Vermelho). Fonte: Ministério da Saúde

Como prevenir a dengue?

O controle do mosquito ainda é a melhor opção. Estratégias eficazes envolvem ações integradas, como a eliminação de criadouros de mosquitos em ambientes urbanos, a aplicação de inseticidas quando necessário, a educação da comunidade sobre medidas preventivas e o monitoramento constante das áreas de risco. Adicionalmente, estão em desenvolvimento e algumas já foram aprovadas vacinas para o controle do vetor. 

O Brasil destaca-se como o pioneiro mundial ao disponibilizar o imunizante no sistema público universal. Denominada Qdenga, a vacina será implementada inicialmente de forma focalizada, visto que o fabricante, laboratório Takeda, enfrenta limitações na capacidade de fornecimento de doses. Dessa forma, a vacinação será direcionada para públicos e regiões considerados prioritários.

Conclusão

A dengue representa um desafio significativo para a saúde pública, afetando milhões de pessoas em todo o mundo, especialmente em regiões tropicais e subtropicais. Com suas diversas manifestações clínicas, desde casos leves até formas mais graves, a dengue demanda esforços contínuos no desenvolvimento de estratégias de prevenção, controle do vetor e tratamento eficaz. 

Continue aprendendo:

FONTES:

Assine o medclub e tenha acesso a um mundo de informações médicas

Aproveite por 30 dias gratuitamente e após esse período pague apenas R$29,90 por mês.

Artigo escrito por

Comece agora e tenha acesso a um mundo de informações médicas

Aproveite por 30 dias gratuitamente e após esse período pague apenas R$29,90 por mês.

Dúvidas?

O que é o MedClub?

O medclub é uma plataforma 100% online e responsiva focada no desenvolvimento e capacitação profissional dos médicos. Com videoaulas e materiais de apoio de alta qualidade, o médico é alavancado em uma dinâmica simples, clara e objetiva de atualização e aprimoramento dos conhecimentos essenciais à sua prática.

Como o MedClub pode me beneficiar?

O Medclub te proporciona a aplicabilidade prática da Medicina Baseada em Evidências, elevando o padrão da sua prática médica. Tudo isso em um só lugar, sem perda de tempo, com informações claras e fáceis de achar no dia a dia.

O MedClub beneficia médicos de diferentes níveis de experiência?

Sim! O MedClub foi cuidadosamente concebido e desenvolvido com o objetivo de simplificar o estudo e a atualização médica, proporcionando maior segurança nas práticas e procedimentos. Nossa plataforma visa melhorar os resultados diários dos médicos, abordando as principais preocupações independentemente do estágio de sua carreira.

Existe um prazo de garantia?

Com certeza! No MedClub, estamos comprometidos com você. Por isso, disponibilizamos 30 dias corridos gratuitos antes de qualquer pagamento ser debitado em sua conta, garantindo que sua assinatura entre em vigor apenas quando você estiver pronto.

Como faço para cancelar minha assinatura?

Ao iniciar sua assinatura no MedClub, você terá a flexibilidade de cancelá-la a qualquer momento diretamente na plataforma, podendo também cancelar entrando em contato com nossa equipe de suporte ou enviando um e-mail para contato@med.club.

Nós utilizamos cookies. Ao navegar no site estará consentindo a sua utilização. Saiba mais sobre o uso de cookies.