Oncologia
Oncologia

Síndrome da veia cava superior: causas, sintomas e como tratar

Logo Medclub
Equipe medclub
Publicado em
19/1/2024
 · 
Atualizado em
22/1/2024
Índice

É dito como síndrome as condições médicas nas quais há uma convergência entre diferentes patologias de base para uma manifestação clínica semelhante. Nesse cenário, a Síndrome da Veia Cava Superior tem seu lugar uma vez que possui diversas etiologias, sendo estas classificadas em dois grandes grupos: neoplásicas e não neoplásicas.

O que é Síndrome da Veia Cava Superior?

A Síndrome da Veia Cava Superior (SVCS) é um conjunto de manifestações clínicas provenientes de uma alteração de fluxo sanguíneo na veia cava superior, seja por motivos intravasculares, como também extravasculares. Dessa forma, ocorre uma congestão venosa central que pode evoluir para disfunção cardíaca, pulmonar e até mesmo de Sistema Nervoso Central.

Causas da síndrome da veia cava superior

Dentre as etiologias, se destacam aquelas que ocasionam uma compressão extrínseca da Veia Cava Superior, ou seja, um desenvolvimento de neoplasia pulmonar direita, sendo o câncer de células não pequenas o mais comum seguido daquele de pequenas células. 

Ainda nesse âmbito, os Linfomas não Hodgkin (difuso de células grandes e linfoblástico) têm sua importância como a terceira etiologia mais comum. As três etiologias mencionadas ocasionam cerca de 95% dos casos. No contexto de causas intravasculares ou não neoplásicas, merecem destaque a mediastinite fibrosante e a trombose ocasionada por dispositivos intravasculares (ex: cateteres e marca-passos).


{{banner-cta-blog}}

Qual o seu mecanismo fisiopatológico?

Tendo em vista a disposição anatômica da Veia Cava Superior e de suas ramificações, sabe-se que este vaso é responsável pela drenagem sanguínea de toda a região superior do corpo em direção ao Átrio Direito (AD). 

Nesse sentido, devido à redução de fluxo sanguíneo ocasionado, ocorre uma congestão vascular retrógrada por estase jugular e de veias subclávias de modo a aumentar a pressão plasmática gerando edemas em membros superiores (MMSS), região cervical (laringe e faringe), facial, intracraniana e cerebral. Em concordância a isso, em casos de evolução mais prolongada ocorre a formação de circulação colateral, podendo ser visíveis no abdome em alguns casos.

Anatomia vascular da região cervical. Fonte: The anterior triangle of the neck - Surgery - Oxford International Edition
Anatomia vascular da região cervical. Fonte: The anterior triangle of the neck - Surgery - Oxford International Edition 

Sintomas da síndrome da veia cava superior

Considerando os mecanismos fisiopatológicos, os principais sinais da síndrome da veia cava superior estão elencados abaixo:

  • Edema facial / cervical (laringe e faringe) / MMSS / Região Clavicular
  • Dispneia (principalmente em decúbito ou corpo inclinado anteriormente)
  • Cefaleia
  • Tontura
  • Estridor
  • Alterações visuais (visão turva / diplopia)
  • Disfagia
  • Confusão mental

Importante destacar que a gravidade das manifestações depende de como decorreu seu início. Isto é, em compressões vasculares súbitas ou de rápido surgimento, tendem a ser mais graves. Além disso, a presença de circulação colateral pode gerar uma leve melhora clínica inicialmente, mas com nova piora em seguida.

Circulação colateral visível em cenário de congestão da Veia Cava Superior. Fonte: Semioblog Humanitas

Diagnóstico

Para o diagnóstico da síndrome da veia cava superior deve-se associar métodos de imagem com a anamnese e exame físico bem realizados. Assim, a Tomografia Computadorizada (TC) de Tórax com contraste é essencial para a visualização direta da etiologia de redução de fluxo sanguíneo. 

Contudo, em pacientes nos quais não há diagnóstico prévio de neoplasia ou outras possíveis causas, é necessária a avaliação histopatológica da massa em TC guiada por biópsia, citologia de líquido pleural ou biópsia de medula óssea. Em diagnósticos inconclusivos ou procedimentos contraindicados a broncoscopia, mediastinoscopia e toracotomia são opções. Vale salientar que em alguns pacientes há alargamento mediastinal no Raio-X.

{{banner-cta-blog}}

Como tratar a síndrome da veia cava superior?

A terapêutica de pacientes com síndrome da veia cava superior visa, inicialmente, o controle geral da sintomatologia e, portanto, a administração de glicocorticoides (redução de edema), hidratação controlada, suporte ventilatório apenas em casos de hipóxia (Sat < 90%) são medidas rotineiras. 

Contudo, uma vez que o diagnóstico etiológico específico é estabelecido, medidas devem ser individualizadas, como uso de trombolíticos ou Radioterapia / Quimioterapia. Importante destacar que em pacientes severos, a intervenção imediata de recanalização, com ou sem stent, está indicada.

Conclusão

Tendo em vista que cerca de 60% dos pacientes com síndrome da veia cava superior possuem uma etiologia neoplásica não diagnosticada previamente e com possibilidade de tratamento, é de extrema importância o conhecimento das principais manifestações clínicas e métodos diagnósticos. Isso para que uma terapêutica adequada possa ser iniciada o mais rápido possível e possibilite maior sobrevida aos pacientes.

Continue aprendendo: 

FONTE:

  • Malignancy-related superior vena cava syndrome, UpToDate;
  • Washington, Manual de Oncologia;
  • HCUSP, Clínica Médica, Vol. 3;
  • Emergências Oncológicas - Síndrome da Veia Cava Superior na Emergência, FMRP-USP.

Assine o medclub e tenha acesso a um mundo de informações médicas

Aproveite por 30 dias gratuitamente e após esse período pague apenas R$29,90 por mês.

Artigo escrito por

Comece agora e tenha acesso a um mundo de informações médicas

Aproveite por 30 dias gratuitamente e após esse período pague apenas R$29,90 por mês.

Dúvidas?

O que é o MedClub?

O medclub é uma plataforma 100% online e responsiva focada no desenvolvimento e capacitação profissional dos médicos. Com videoaulas e materiais de apoio de alta qualidade, o médico é alavancado em uma dinâmica simples, clara e objetiva de atualização e aprimoramento dos conhecimentos essenciais à sua prática.

Como o MedClub pode me beneficiar?

O Medclub te proporciona a aplicabilidade prática da Medicina Baseada em Evidências, elevando o padrão da sua prática médica. Tudo isso em um só lugar, sem perda de tempo, com informações claras e fáceis de achar no dia a dia.

O MedClub beneficia médicos de diferentes níveis de experiência?

Sim! O MedClub foi cuidadosamente concebido e desenvolvido com o objetivo de simplificar o estudo e a atualização médica, proporcionando maior segurança nas práticas e procedimentos. Nossa plataforma visa melhorar os resultados diários dos médicos, abordando as principais preocupações independentemente do estágio de sua carreira.

Existe um prazo de garantia?

Com certeza! No MedClub, estamos comprometidos com você. Por isso, disponibilizamos 30 dias corridos gratuitos antes de qualquer pagamento ser debitado em sua conta, garantindo que sua assinatura entre em vigor apenas quando você estiver pronto.

Como faço para cancelar minha assinatura?

Ao iniciar sua assinatura no MedClub, você terá a flexibilidade de cancelá-la a qualquer momento diretamente na plataforma, podendo também cancelar entrando em contato com nossa equipe de suporte ou enviando um e-mail para contato@med.club.

Nós utilizamos cookies. Ao navegar no site estará consentindo a sua utilização. Saiba mais sobre o uso de cookies.