Equipe med.club

30/6/22

Recente atualização do UpToDate comentou sobre possívelnecessidade de utilização de anticonvulsivantes como profilaxia paraeventos epiléticos em pacientes sob cuidados pós-parada cardiorrespiratória(PCR). Até 33% dos pacientes com lesões hipóxico-isquêmicosapresentam eventos epiléticos. Entretanto, muitos desses não são convulsivos erequerem diagnóstico eletroencefalográfico, dificultando a identificação desseseventos. Para mais, a lesão neurológica, decorrente de eventoshipóxico-isquêmicos, é a principal causa de óbito em vítimas PCRextra-hospitalar, bem como é um dos grandes fatores contribuintes paramortalidades de PCR hospitalar.

Um estudo envolveu 172 indivíduos adultos com traçados ritmos eperiódicos no eletroencefalograma após PCR, indicativo de lesão encefálica. Nessetrabalho, foi avaliado o uso de anticonvulsivante de forma profilática, sendoainda empregado um grupo controle sem o tratamento. Após 3 meses do experimento,não foram demonstradas diferenças no prognóstico neurológico em ambos os grupos,e cerca de 80% desses pacientes foram a óbito.

Dessa forma, os autores concluem que os o uso deanticonvulsivantes profiláticos para os cuidados de pacientes com lesõesencefálicas grave, pós-parada cardiorrespiratória, não melhoram o prognóstico neurológico.Assim, recomendam que os anticonvulsivantes profiláticos não sejam empregadoscaso não haja evidências relevantes de que podem trazer benefícios para opaciente.

Gostou do nosso Boletim da semana? Compartilhe com quempossa interessar e nos acompanhe no Instagram! Já assistiunossa aula de AVC Isquêmico? Essa e diversas outras aulas gratuitas eseparadas em episódios esperam você no Med.club XP. Cadastre-se e assista agora!

Fonte: UpToDate

Compartilhe este artigo

Dê um upgrade na sua carreira

Nossos cursos são o que você precisa para levar sua carreira médica para o próximo nível!

Ver cursos