Nefrologia
Nefrologia

Infecção do trato urinário: tipos, diagnóstico e tratamento

Logo Medclub
Equipe medclub
Publicado em
21/2/2024
 · 
Atualizado em
21/2/2024
Índice

Por questões anatômicas, a população feminina é cerca de 50 vezes mais comumente acometida por Infecção do Trato Urinário (ITU), uma vez que a uretra é de menor comprimento em comparação à população masculina, bem como possui bactérias e fungos da flora vaginal também como origem de agentes infecciosos.

O que é definido como ITU?

A infecção do trato urinário (ITU) envolve a atividade de patógenos na uretra, próstata, bexiga e rins. Contudo, é de maior prevalência os acometimentos das últimas duas citadas, sendo essas denominadas respectivamente de cistite (ou ITU baixa) e pielonefrite (ou ITU alta)

A pielonefrite manifesta-se em casos mais complicados ou de disseminação bacteriana hematogênica. Em critérios laboratoriais, para a definição faz-se necessária a presença de mais de 100.000 unidades formadoras de colônia por mililitro de urina.

{{banner-cta-blog}}

Etiologia e fatores de risco

Tendo em vista que a via ascendente a partir da flora intestinal é a maneira mais comum de infecção, seguida de infecção pela via sanguínea em um contexto de bacteremia, as bactérias Gram-negativas são mais prevalentes, principalmente a Escherichia coli. Dessa forma, vale salientar os fatores de risco mais importantes para a população masculina e feminina:

Fatores de risco para mulheres Fatores de risco para homens
Relações sexuais Hiperplasia prostática benigna
Uso recente de antibiótico Instrumentação recente ou sonda vesical de demora (SVD)
Novo parceiro sexual Comprometimento cognitivo (ex: incontinência urinária ou fecal)
História de ITU recorrente Distúrbios miccionais
Uso de diafragma ou espermicida Doenças neurológicas que interferem na micção
História de ITU em parentes de 1° grau do sexo feminino Obstrução do trato urinário

Fisiopatologia

Como já mencionado, a via ascendente é a forma mais comum de desenvolvimento de infecção do trato urinário. Isso porque, devido a flora intestinal e vaginal ocorre uma colonização bacteriana na região perineal que, em contextos de risco (ex: após relação sexual), pode haver disseminação dos patógenos para as vias urinárias. 

Nesse sentido, inicialmente, as estruturas baixas como uretra e bexiga são acometidas, mas em alguns pacientes (principalmente naqueles com maus hábitos urinários), ocorre ascensão para o parênquima renal através dos ureteres, ocasionando pielonefrite. Além disso, em cenários como de endocardite infecciosa, a bacteremia presente pode resultar também em pielonefrite, sendo denominado de pielonefrite secundária à disseminação hematogênica.

Imagem ilustrativa de infecção bacteriana de parênquima renal presente na pielonefrite aguda
Imagem ilustrativa de infecção bacteriana de parênquima renal presente na pielonefrite aguda. Fonte: Assocarenews.it 

Quais os tipos de infecção do trato urinário?

Devido às possibilidades estruturais de infecção patogênica dentro do trato urinário, as infecções do trato urinário podem ser classificadas da seguinte maneira:

Uretrite 

Quando há infecção apenas da uretra, seja de forma aguda ou crônica. Principalmente causada por patógenos sexualmente transmissíveis, como: Neisseria gonorrhoeae e Trichomonas vaginalis.

Cistite

Este tipo de infecção do trato urinário está restrita à bexiga, sendo o quadro mais simples no sexo feminino, mas com tendência à maior complexidade no sexo masculino, uma vez que pode envolver prostatite bacteriana crônica ou uso de instrumentação (ex: SVD).

Bacteriúria assintomática

A bacteriúria assintomática normalmente é diagnosticada ao acaso durante triagem de pacientes, sendo identificado alterações laboratoriais compatíveis com infecção do trato urinário em pacientes sem sintomas.

Síndrome Uretral Aguda

Esta síndrome é mais comum em mulheres e é caracterizada por uma clínica compatível com cistite (polaciúria, disúria ou piúria), mas sem evidências laboratoriais de colonização infecciosa.

Pielonefrite 

A infecção do parênquima renal, a qual é resultado da ascensão bacteriana na população feminina (corresponde a 95% dos casos de pielonefrite), ou de obstrução do trato urinário com colonização bacteriana na população masculina.

Quadro Clínico

Por serem de maior prevalência, a cistite e a pielonefrite merecem destaque em seu quadro clínico. No contexto de cistite as queixas mais presentes envolvem: disúria, urgência miccional, polaciúria e dor em hipogástrio (não há febre na maioria dos casos). Já na pielonefrite, que geralmente se desenvolve após uma cistite, ela evolui com uma febre alta (acima de 38°C) associada com dor na região lombar (possibilidade de Sinal de Giordano positivo) e calafrios, sendo sinais mais sistêmicos característicos de tal infecção.

{{banner-cta-blog}}

Como diagnosticar a infecção urinária?

O diagnóstico da infecção do trato urinário deve ser confirmado apenas após análise laboratorial, sendo o sumário de urina (Urina tipo I - EAS) e a urocultura os principais exames. No caso do EAS, alterações como: nitrito positivo, piúria (> 8 leucócitos/mcl), hematúria microscópica e bactérias em unidades formadoras de colônias > 100.000/ml indicam infecção. 

Já a urocultura deve ser solicitada apenas em casos de infecção do trato urinário complicada (ex: sexo masculino, imunossuprimidos, alterações anatômicas do trato urinário, alterações funcionais), objetivando a identificação de bactéria específica para um tratamento mais adequado.

Tratamento para a infecção do trato urinário

Para métodos terapêuticos é de extrema importância entender que o antibiótico precisa sempre estar presente nos quadros de ITU. Além disso, tratamentos cirúrgicos em associação são uma opção quando etiologias são estruturais (ex: obstrução uretral por hiperplasia prostática benigna). De forma a sumarizar as possibilidades terapêuticas, segue uma tabela:

Possíveis tratamentos para a infecção do trato urinário
Uretrite Ceftriaxona 500mg (IM) + Azitromicina 2g (VO - dose única) OU Doxiciclina por 7 dias 12/12h
Cistite não complicada Nitrofurantoína ou Sulfametoxazol-Trimetropim ou Fosfomicina
Cistite complicada Antibiótico de amplo espectro
Bacteriúria assintomática apenas se fatores de risco para gravidade
Pielonefrite não complicada 1° linha: ciprofloxacina 500mg VO ou levofloxacina 750mg VO.
2° linha: sulfametoxazol-trimetropim
Pielonefrite complicada 1° linha: ciprofloxacina ou levofloxacina
outras opções: ampicilina + gentamicina

Vale a pena destacar que nas situações não complicadas o acompanhamento ambulatorial com terapêutica via oral é mais adequado, enquanto que nas complicadas faz-se necessário o internamento do paciente para administração de fármacos de forma intravenosa. Nesse último cenário, após melhora clínica do paciente (normalmente ocorre dentro de 72h), pode haver mudança para terapia oral de modo a completar os 7 a 14 dias de tratamento.

Conclusão

Apesar das diversas formas de prevenção, como boa ingesta de água e micção frequente, as infecções do trato urinário são rotina na vivência médica uma vez que há diversos fatores de risco, especialmente na população feminina. Dessa forma, o diagnóstico correto com a terapêutica adequada é de extrema importância para evitar maiores gravidades devido a continuidade anatômica do trato urinário que facilita casos complicados.

Continue aprendendo:

FONTES:

Assine o medclub e tenha acesso a um mundo de informações médicas

Aproveite por 30 dias gratuitamente e após esse período pague apenas R$29,90 por mês.

Artigo escrito por

Comece agora e tenha acesso a um mundo de informações médicas

Aproveite por 30 dias gratuitamente e após esse período pague apenas R$29,90 por mês.

Dúvidas?

O que é o MedClub?

O medclub é uma plataforma 100% online e responsiva focada no desenvolvimento e capacitação profissional dos médicos. Com videoaulas e materiais de apoio de alta qualidade, o médico é alavancado em uma dinâmica simples, clara e objetiva de atualização e aprimoramento dos conhecimentos essenciais à sua prática.

Como o MedClub pode me beneficiar?

O Medclub te proporciona a aplicabilidade prática da Medicina Baseada em Evidências, elevando o padrão da sua prática médica. Tudo isso em um só lugar, sem perda de tempo, com informações claras e fáceis de achar no dia a dia.

O MedClub beneficia médicos de diferentes níveis de experiência?

Sim! O MedClub foi cuidadosamente concebido e desenvolvido com o objetivo de simplificar o estudo e a atualização médica, proporcionando maior segurança nas práticas e procedimentos. Nossa plataforma visa melhorar os resultados diários dos médicos, abordando as principais preocupações independentemente do estágio de sua carreira.

Existe um prazo de garantia?

Com certeza! No MedClub, estamos comprometidos com você. Por isso, disponibilizamos 30 dias corridos gratuitos antes de qualquer pagamento ser debitado em sua conta, garantindo que sua assinatura entre em vigor apenas quando você estiver pronto.

Como faço para cancelar minha assinatura?

Ao iniciar sua assinatura no MedClub, você terá a flexibilidade de cancelá-la a qualquer momento diretamente na plataforma, podendo também cancelar entrando em contato com nossa equipe de suporte ou enviando um e-mail para contato@med.club.

Nós utilizamos cookies. Ao navegar no site estará consentindo a sua utilização. Saiba mais sobre o uso de cookies.