Clínica Médica
Clínica Médica

Dislipidemia: o que é, causas, tipos e tratamento

Logo Medclub
Equipe medclub
Publicado em
6/9/2023
 · 
Atualizado em
3/11/2023
Índice

As dislipidemias representam um grupo de distúrbios metabólicos caracterizados por alterações nos níveis de lipídios no sangue, incluindo colesterol e triglicerídeos. Essas condições têm um impacto significativo na saúde cardiovascular, aumentando o risco de doenças coronarianas (infarto), acidentes vasculares cerebrais (AVC) e outras complicações, sendo fundamental ter conhecimento de seu tratamento e prevenção.

O que é Dislipidemia?

A dislipidemia é caracterizada por alterações nos níveis de lipídios no sangue, que incluem o colesterol e os triglicerídeos. O colesterol é um componente essencial das membranas celulares e desempenha um papel crucial em várias funções biológicas como transporte e armazenamento de energia, síntese de hormônios e sais biliares. 

No entanto, em níveis elevados, especialmente o colesterol LDL (lipoproteína de baixa densidade), também conhecido como "colesterol ruim", está associado ao acúmulo de placas nas paredes das artérias, a aterosclerose, que pode levar a infarto agudo do miocárdio, AVC isquêmico e trombose

Da mesma forma, níveis elevados de triglicerídeos também estão associados a complicações, principalmente pancreatite aguda

Para você ficar sabendo todos os detalhes temos uma aula exclusiva que trata desse assunto, confira no nosso streaming de atualização médica. O Medclub Prime tem um preço que cabe no seu bolso e vai te manter atualizado, o que é muito importante para o seu dia-a-dia

Quais os tipos de dislipidemia?

As dislipidemias podem ser consideradas como primárias, quando decorrentes de distúrbios genéticos (monogênicas e poligênicas) ou secundárias, se decorrente de outras patologias ou uso de medicamentos.

Metabolismo das lipoproteínas

Molécula de lipoproteína. Fonte: endocrinologia Vilar
Molécula de lipoproteína. Fonte: endocrinologia Vilar

O metabolismo das lipoproteínas no nosso organismo pode ser dividido em dois ciclos, o ciclo exógeno (alimentação/absorção --> fígado) e ciclo endógeno (fígado --> tecidos periféricos --> fígado). 

Ciclo exógeno

No ciclo exógeno, para haver absorção das lipoproteínas e transporte delas até o fígado alguns compostos são necessários, como sais biliares, lipase pancreática, a proteína transportadora NPC-L1 (transporta o colesterol para os enterócitos) e a enzima PPAR-ALFA.

Ciclo endógeno

No ciclo endógeno, as lipoproteínas captadas nos enterócitos são transportadas para o fígado, para a produção de colesterol (com ação das enzimas HMG-coA-redutase e DGAT2), sendo então convertidas em HDL, LDL e VLDL. Quando o LDL é posteriormente transportado para o tecido periférico e adentra as células através dos receptores de LDL, ocorre inibição da HMG-coA-redutase, suprimindo a produção de colesterol em excesso.

Um problema nesse metabolismo ocorre quando os receptores de LDL não funcionam bem, por consequência da super-ativação de uma proteína nomeada PCSK9. Sendo assim, não há correta captação de LDL, acumulando essas moléculas na circulação sanguínea.

Principais causas de Dislipidemia

As causas das dislipidemias são multifatoriais e podem ser divididas em fatores genéticos e adquiridos. Os fatores genéticos desempenham um papel importante na predisposição de uma pessoa a desenvolver o problema. Algumas condições genéticas, como a hipercolesterolemia familiar, resultam em níveis anormalmente elevados de colesterol desde a infância. 

Além disso, uma outra causa são os fatores adquiridos, como dieta inadequada, obesidade, sedentarismo, diabetes, hipotireoidismo e hepatopatias. Além do HIV, porfiria, tabagismo, anorexia, gestação e consumo excessivo de álcool, que também podem contribuir para o desenvolvimento de dislipidemias.

Quadro clínico

As dislipidemias não apresentam sintomas específicos. Isso significa que os indivíduos podem estar em risco de complicações cardiovasculares mesmo sem apresentar sinais evidentes. No entanto, no exame físico pode-se encontrar alguns achados, que são raros, mas auxiliam na identificação de tipos específicos.

Xantoma eruptivo, indica hipertrigliceridemia grave (aparece em níveis de TG>2000). Fonte: endocrinologia Vilar
Xantoma eruptivo, indica hipertrigliceridemia grave (aparece em níveis de TG>2000). Fonte: endocrinologia Vilar
Xantoma palmar, indica disbetalipoproteinemia (sinal patognomônico). Fonte: NEJM; link da fonte: https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMicm1713658 
Xantoma palmar, indica disbetalipoproteinemia (sinal patognomônico). Fonte: NEJM
Xantelasma. Fonte: Dra. Tatiana Nahas; link da fonte:  https://www.tatiananahas.com.br/2022/04/13/o-que-e-xantelasma/ 
Xantelasma. Fonte: Dra. Tatiana Nahas
Xantoma tuberoso, indica disbetalipoproteinemia. Fonte: Wikipedia; link da fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Xantoma 
Xantoma tuberoso, indica disbetalipoproteinemia. Fonte: Wikipedia
Xantoma tendinoso, indica hipercolesterolemia familiar (sinal patognomônico). Fonte: endocrinologia Vilar
Xantoma tendinoso, indica hipercolesterolemia familiar (sinal patognomônico). Fonte: endocrinologia Vilar

Como realizar o diagnóstico?

O diagnóstico de dislipidemias é baseado na avaliação dos níveis sanguíneos de lipídios, incluindo colesterol total, colesterol LDL, colesterol HDL e triglicerídeos. Com base nos valores obtidos e nos fatores de risco individuais, os profissionais de saúde podem classificar os pacientes em diferentes categorias de risco cardiovascular e determinar a abordagem de tratamento mais apropriada.

O cálculo do risco cardiovascular leva em conta a idade, o sexo biológico, histórico familiar de doença arterial coronariana, tabagismo, a presença de doenças como diabetes, hipertensão e doença renal crônica, o nível de LDL e eventos cardiovasculares prévios.

Se você quiser saber mais sobre este assunto acesse o nosso streaming de atualização médica, para assistir de onde e quando quiser. Sabe aquela dúvida que aparece no meio do plantão!? Os conteúdos atualizados do Medclub prime podem te ajudar a obter ainda mais êxito na sua prática médica

Qual o tratamento para a dislipidemia?

O tratamento da dislipidemia visa principalmente reduzir o risco cardiovascular global. Isso geralmente envolve uma combinação de intervenções não farmacológicas e farmacológicas. As mudanças no estilo de vida desempenham um papel fundamental no manejo. Isso inclui a adoção de uma dieta saudável e prática regular de atividade física.

Nos casos em que as mudanças no estilo de vida não são suficientes, a terapia farmacológica deve ser considerada. Os medicamentos mais comuns incluem as estatinas, que ajudam a reduzir os níveis de colesterol LDL. Além disso, outros medicamentos, como os fibratos e os inibidores de PCSK9, também podem ser prescritos para controlar os níveis de lipídios.

Conclusão

As dislipidemias são distúrbios metabólicos que afetam os níveis de lipídios no sangue e têm um impacto significativo na saúde cardiovascular. Compreender o diagnóstico e tratamento das dislipidemias é fundamental para prevenir complicações graves, como infarto e AVC.

 A abordagem do tratamento inclui mudanças no estilo de vida, como dieta saudável e atividade física, além de terapia farmacológica quando necessário. A conscientização sobre a importância do controle dos níveis lipídicos e a implementação de medidas preventivas são cruciais para reduzir o ônus das dislipidemias na saúde pública e melhorar a qualidade de vida dos indivíduos.

Continue aprendendo:

FONTES:

Assine o medclub e tenha acesso a um mundo de informações médicas

Aproveite por 30 dias gratuitamente e após esse período pague apenas R$29,90 por mês.

Artigo escrito por

Comece agora e tenha acesso a um mundo de informações médicas

Aproveite por 30 dias gratuitamente e após esse período pague apenas R$29,90 por mês.

Dúvidas?

O que é o MedClub?

O medclub é uma plataforma 100% online e responsiva focada no desenvolvimento e capacitação profissional dos médicos. Com videoaulas e materiais de apoio de alta qualidade, o médico é alavancado em uma dinâmica simples, clara e objetiva de atualização e aprimoramento dos conhecimentos essenciais à sua prática.

Como o MedClub pode me beneficiar?

O Medclub te proporciona a aplicabilidade prática da Medicina Baseada em Evidências, elevando o padrão da sua prática médica. Tudo isso em um só lugar, sem perda de tempo, com informações claras e fáceis de achar no dia a dia.

O MedClub beneficia médicos de diferentes níveis de experiência?

Sim! O MedClub foi cuidadosamente concebido e desenvolvido com o objetivo de simplificar o estudo e a atualização médica, proporcionando maior segurança nas práticas e procedimentos. Nossa plataforma visa melhorar os resultados diários dos médicos, abordando as principais preocupações independentemente do estágio de sua carreira.

Existe um prazo de garantia?

Com certeza! No MedClub, estamos comprometidos com você. Por isso, disponibilizamos 30 dias corridos gratuitos antes de qualquer pagamento ser debitado em sua conta, garantindo que sua assinatura entre em vigor apenas quando você estiver pronto.

Como faço para cancelar minha assinatura?

Ao iniciar sua assinatura no MedClub, você terá a flexibilidade de cancelá-la a qualquer momento diretamente na plataforma, podendo também cancelar entrando em contato com nossa equipe de suporte ou enviando um e-mail para contato@med.club.

Nós utilizamos cookies. Ao navegar no site estará consentindo a sua utilização. Saiba mais sobre o uso de cookies.