Medicina de Emergência
Medicina de Emergência

Intoxicações agudas: o que são, diagnóstico e como tratar

Logo Medclub
Equipe medclub
Publicado em
24/5/2023
 · 
Atualizado em
30/5/2023
Índice

Intoxicação aguda é definida como um conjunto de efeitos nocivos que causam desequilíbrio ao organismo, produzidos pelo uso abusivo de um ou mais agentes tóxicos. A gravidade do quadro depende da quantidade e letalidade de substância a que o paciente foi exposto, o tempo decorrido entre o acidente e a intervenção médica, além de fatores do próprio indivíduo, como idade e competência imunológica. 

As exposições às toxinas podem ocorrer por diversas vias, como oral, cutânea, inalatória, por exposição de mucosa e intravenosa. Enquanto crianças costumam se intoxicar por acidentes, nos adultos é mais comum que a intoxicação seja proposital, a fim de provocar uma tentativa de extermínio

As intoxicações agudas são a principal causa de morte por agentes externos, superando até os acidentes automobilísticos. Logo, é essencial identificar qual a etiologia e realizar rápido manejo na emergência.

Como realizar a avaliação inicial?

Paciente chegando na emergência. Fonte: Freepik 
Paciente chegando na emergência. Fonte: Freepik 

Suspeitamos de intoxicação aguda quando há uma história compatível do paciente e sinais de rebaixamento de nível de consciência, mudanças comportamentais ou outras alterações neurológicas, além de insuficiência respiratória, broncoaspiração, arritmias inexplicadas e insuficiência hepática ou renal agudas.

Com a suspeita diagnóstica, devemos encaminhar o indivíduo para a sala de emergência com maior monitoramento e prosseguir com a avaliação, realizando a anamnese e exame físico. 

Anamnese

A anamnese muitas vezes não vai ser possível de obter com o próprio paciente, sendo necessário questionar o acompanhante. 

É necessário perguntar o histórico de abuso de substâncias, transtornos psiquiátricos, medicações em uso e se há motivações recentes para a tentativa de suicídio (ex: separação de parceiro amoroso e falência são motivos comuns). Pode-se solicitar ajuda de parentes e amigos  para checar o domicílio à procura do agente tóxico.

Exame físico

No exame físico devemos lembrar da avaliação ABCDE (vias aéreas, respiração, circulação, déficit neurológico e exposição). Focar então nos sinais vitais (temperatura, frequência e ausculta cardíaca e respiratória, pressão arterial, saturação de O2), funções autônomas (verificar se há peristalse, diurese, sialorreia etc.), estado mental, tônus muscular, avaliação da cavidade oral e narinas (inalação de cocaína? Substância aparente? Cheiro característico?) e avaliação das pupilas

A seguir, coletar gasometria arterial (avaliar ânion gap) e screening toxicológico (por exame sérico ou de urina).

Para você ficar sabendo todos os detalhes temos uma aula exclusiva que trata desse assunto, confira no nosso streaming de atualização médica. O Medclub Prime tem um preço que cabe no seu bolso e vai te manter atualizado, o que é muito importante para o seu dia-a-dia

Etiologias

Medicação ao alcance das crianças pode levar a ingestão, e consequentemente, a intoxicação aguda. Fonte: Blog portal da educação 
Medicação ao alcance das crianças pode levar a ingestão, e consequentemente, a intoxicação aguda. Fonte: Blog portal da educação 

Há diversas etiologias, em crianças é muito comum a intoxicação aguda por medicamentos e produtos de limpeza. Em adultos até 40 anos é mais comum intoxicações por medicamentos e por animais peçonhentos. Em adultos maiores de 40 anos, a intoxicação aguda por animais peçonhentos é a principal etiologia.

No entanto, as substâncias que mais causam mortalidade são os produtos agrotóxicos agrícolas, seguido de abuso de drogas e medicamentos, em adultos,  e por animais peçonhentos em crianças.

Classificação para as intoxicações agudas

Principais síndromes toxicológicas e seus achados no exame físico. Fonte: Medicina de Emergência FMUSP 16ª edição capítulo 111

Podemos classificar as intoxicações agudas em síndromes toxicológicas, onde existem “grupos” de toxinas que causam sinais e sintomas específicos, possíveis de identificar no exame físico. Essa classificação guia o tratamento de maneira mais rápida, pois não há “perda de tempo” na confirmação do agente etiológico. 

Síndrome simpaticomimética

Define-se pelo excesso de atividade do sistema simpático, causado por drogas como cocaína, ecstasy, anfetaminas, efedrina, teofilina, cafeína, sibutramina, salbutamol e LSD. A clínica apresenta os sinais clássicos da "luta e fuga", como agitação, diaforese, pupilas midriáticas, taquipneia, taquicardia e hipertensão e hipertermia. Em situações mais graves pode haver arritmias, IAM e tromboses.

Síndrome anticolinérgica

Este tipo de intoxicação aguda ocorre após o uso de substâncias antimuscarínicas, como anti-histamínicos, anti-parkinsonianos, atropina, escopolamina, ciclobenzaprina e antidepressivos tricíclicos. Há um bloqueio do tônus colinérgico normal (e predominância do simpático), com ausência de peristalse, delirium, alterações visuais, hipertermia, midríase, rubor cutâneo e mucosas secas.

Síndrome colinérgica

Ela se apresenta quando há estimulação excessiva do sistema parassimpático, causada pelo uso de substâncias como fisostigmina, pilocarpina, inseticidas, carbamatos, organofosforados - chumbinho e nicotina. Ocorrem sintomas relacionados aos receptores muscarínicos, como aumento de secreção glandular (vômitos, broncorreia, diaforese, diarreia, lacrimejamento, sialorreia) letargia e miose, mas também nicotínicos (taquicardia, fraqueza, tremores, convulsões, midríase e sonolência).

Síndrome sedativo-hipnótica

Nesta intoxicação aguda há perda de tônus muscular e reflexos de proteção das vias aéreas, além de sedação. Pode ocorrer na intoxicação por álcool, barbitúricos e benzodiazepínicos

Síndrome opioide

Ela envolve sedação, diminuição da FR e miose. O diagnóstico é confirmado quando observa-se resposta ao uso de naloxone, antídoto de opióides. Nos Estados Unidos é o tipo de intoxicação mais comum. No Brasil ainda não é um grande problema, mas a aquisição de opióides está crescendo.

Síndrome serotoninérgica

Geralmente ocorre horas/dias após a introdução de duas ou mais medicações que estimulam a produção de serotonina em doses acima da faixa terapêutica (situações em que profissionais prescrevem erroneamente esses medicamentos controlados). Os medicamentos são: ISRS, IMAO, ADT e antipsicóticos atípicos. As manifestações incluem estado mental alterado, agitação, hipertermia, hiperreflexia e diaforese.

Se você quiser saber mais sobre este assunto acesse o nosso streaming de atualização médica, para assistir de onde e quando quiser. Sabe aquela dúvida que aparece no meio do plantão!? Os conteúdos atualizados do Medclub prime podem te ajudar a obter ainda mais êxito na sua prática médica

Diagnósticos diferenciais

A síndrome de abstinência é um diagnóstico diferencial a ser pensado, pois costuma ter sinais e sintomas (diaforese, midríase, taquicardia, náuseas) muito semelhante aos de intoxicação, mas o manejo é diferente. Outras condições que devem ser descartadas são reações alérgicas, infecções do sistema nervoso e distúrbios psiquiátricos.

Manejo das intoxicações agudas

O manejo é realizado simultaneamente ao exame físico, priorizando medidas de acordo com o ABCDE, ou seja, primeiro garantir vias aéreas pérvias, oxigenação adequada, e, caso haja sinais de choque, fornecer hidratação venosa. Após isso, coletar material para exames é essencial (solicitar hemograma, CPK, função hepática e renal, eletrólitos, glicemia, b-HCG, gasometria arterial e screening toxicológico).

ATENÇÃO! A solicitação de exames complementares diagnósticos não é necessária nos casos em que os achados clínicos são compatíveis com dados da anamnese ou em pacientes assintomáticos com intoxicação acidental.

Em pacientes com parada cardiorrespiratória, se houver suspeita de intoxicação por opióides, além da conduta usual de PCR, indicar uso de naloxone (antídoto para opioides).

Medidas de descontaminação

  • Induzir ao vômito
  • Lavagem gástrica: indicado se realizada em até 1h após a intoxicação oral. 
  • Uso de carvão ativado: indicado se realizado em até 2h após contaminação oral com substâncias absorvíveis por carvão (medicamentos, produtos de limpeza, toxina botulínica, LSD, carbamatos e organofosforados).
  • Lavagem intestinal: laxantes para eliminar toxinas não absorvíveis pelo carvão ativado, como lítio, ferro, chumbo, body Packers (transporte de drogas em cápsulas).
  • Alcalinização da urina (para barbitúricos, tricíclicos e salicilatos) e acidificação (anfetaminas e quinidina): aumentam a excreção de toxinas específicas. Deve ser feita com monitorização rigorosa do pH.
  • Hemodiálise: indicado para álcool, fenobarbital, carbamazepina, ácido valproico, lítio e salicilatos. Corrige distúrbios eletrolíticos e acidose.
  • Utilização de Antídotos: não são todas substâncias que tem um antídoto, mas abaixo segue alguns exemplos:
  • Opioides 🡪 naloxone 
  • Benzodiazepínico 🡪 Flumazenil
  • Paracetamol 🡪 N-acetilcisteína
  • Metanol/etilenoglicol 🡪 Fomepizol / etanol
  • Pesticidas (carbamatos e organofosforados) 🡪 Atropina e fisostigmina
  • Cianeto 🡪 hidroxicobalamina
  • Anestésicos locais 🡪 emulsão lipídica
  • Ferro 🡪 desferoxamina

Conclusão

Portanto, as intoxicações agudas são resultantes da exposição a substâncias tóxicas provenientes do ambiente externo. O diagnóstico requer atenção à história do paciente e exame físico, solicitando exames laboratoriais também. O manejo deve ser hábil pela gravidade em que o indivíduo se encontra na maioria dos casos, avaliando necessidade de ventilação, oxigenação, hidratação e medidas de descontaminação (lavagem, carvão ativo, laxantes e antídotos).

Antes de o indivíduo receber alta, é necessária a avaliação com psiquiatra, em relação a possibilidade de tentativa de suicídio. Quanto às crianças, cabe orientação dos pais e responsáveis para que acidentes com produtos químicos não ocorram.

Continua aprendendo:

FONTE:

  • Medicina de Emergência FMUSP 16ª edição

Assine o medclub e tenha acesso a um mundo de informações médicas

Aproveite por 30 dias gratuitamente e após esse período pague apenas R$29,90 por mês.

Artigo escrito por

Comece agora e tenha acesso a um mundo de informações médicas

Aproveite por 30 dias gratuitamente e após esse período pague apenas R$29,90 por mês.

Dúvidas?

O que é o MedClub?

O medclub é uma plataforma 100% online e responsiva focada no desenvolvimento e capacitação profissional dos médicos. Com videoaulas e materiais de apoio de alta qualidade, o médico é alavancado em uma dinâmica simples, clara e objetiva de atualização e aprimoramento dos conhecimentos essenciais à sua prática.

Como o MedClub pode me beneficiar?

O Medclub te proporciona a aplicabilidade prática da Medicina Baseada em Evidências, elevando o padrão da sua prática médica. Tudo isso em um só lugar, sem perda de tempo, com informações claras e fáceis de achar no dia a dia.

O MedClub beneficia médicos de diferentes níveis de experiência?

Sim! O MedClub foi cuidadosamente concebido e desenvolvido com o objetivo de simplificar o estudo e a atualização médica, proporcionando maior segurança nas práticas e procedimentos. Nossa plataforma visa melhorar os resultados diários dos médicos, abordando as principais preocupações independentemente do estágio de sua carreira.

Existe um prazo de garantia?

Com certeza! No MedClub, estamos comprometidos com você. Por isso, disponibilizamos 30 dias corridos gratuitos antes de qualquer pagamento ser debitado em sua conta, garantindo que sua assinatura entre em vigor apenas quando você estiver pronto.

Como faço para cancelar minha assinatura?

Ao iniciar sua assinatura no MedClub, você terá a flexibilidade de cancelá-la a qualquer momento diretamente na plataforma, podendo também cancelar entrando em contato com nossa equipe de suporte ou enviando um e-mail para contato@med.club.

Nós utilizamos cookies. Ao navegar no site estará consentindo a sua utilização. Saiba mais sobre o uso de cookies.