Clínica Médica
Clínica Médica

Síndromes dolorosas: tipos, características e tratamento

Logo Medclub
Equipe medclub
Publicado em
10/4/2023
 · 
Atualizado em
7/5/2023
Índice

Por: Beatriz Lages Zolin

A dor é uma forma do organismo nos alertar sobre alguma injúria, que ocorreu ou está prestes a ocorrer, para que haja o devido cuidado com ela. Pode ser definida como uma sensação desagradável física e emocional, que é gerada a partir de um dano tecidual real ou potencial.

É válido salientar que a associação internacional de estudos em dor (sigla em inglês IASP – International Association for the Study in Pain) reconhece que a dor ocorre também em circunstâncias onde não há dano tecidual, como na fibromialgia ou dor fantasma após amputação cicatrizada.

É o principal motivo que leva pacientes a procurarem serviço médico, principalmente por dores nas costas, mas também por cefaleia, dores articulares e cervicais. De modo geral, as dores crônicas são mais comuns no sexo feminino

Deve-se sempre levar em conta as queixas de dor dos pacientes, pois é algo muito subjetivo. Sendo assim, os médicos devem elucidar a etiologia da dor e saber manejar, aliviando ao máximo o sintoma a partir de medidas conservadoras, farmacológicas e/ou alternativas.

Fisiopatologia da dor 

A nocicepção é um mecanismo fisiológico de ativação de receptores quando há dano tecidual. Esse estímulo é convertido em sinal elétrico (processo de transdução), que é enviado para as fibras nervosas (processo de transmissão), levando a informação até o sistema nervoso central. A dor só é compreendida pelo indivíduo após essa última etapa, a percepção, ou seja, quando chega a nível consciente.

Durante os processos de transmissão e percepção, acontece também a modulação da dor, que é o que irá definir o grau da sensibilidade do indivíduo ao estímulo ocorrido. A modulação é mediada por glutamato (através dos receptores de N-metil-D-asparto – NMDA), prostaglandinas e células da glia. 

Alterações no mecanismo de modulação irão fazer com que haja alodinia ou hiperalgesia. A perda de interneurônios inibitórios (que transmitem GABA) também está relacionada com a manutenção da dor.

Para você ficar sabendo todos os detalhes temos uma aula exclusiva que trata desse assunto, confira no nosso streaming de atualização médica. O Medclub Prime tem um preço que cabe no seu bolso e vai te manter atualizado, o que é muito importante para o seu dia-a-dia

Classificação

As síndromes dolorosas podem ser classificadas de acordo com a duração, intensidade, mecanismo fisiopatológico ou origem anatômica.

Duração

De acordo com a duração, a dor pode ser aguda ou crônica. A primeira dura menos que 3 ou 6 meses, servindo de alerta para lesões e inflamações que estão ocorrendo (esse alerta aumenta as chances de sobrevida dos indivíduos). A dor crônica, que dura mais de 3 ou 6 meses, geralmente caracteriza uma doença por si só, pois muitas vezes não é um mecanismo fisiológico de alerta, como a dor aguda. 

Intensidade

A intensidade de uma das síndromes dolorosas pode ser classificada como leve, moderada ou severa e podemos medir esses parâmetros através de escalas álgicas.

Escalas álgicas. Fonte: Avaliação e mensuração da dor - programa de educação continuada em fisiopatologia e terapêutica da dor. FONTE: 2017 HCFMUSP
Escalas álgicas. Fonte: Avaliação e mensuração da dor - programa de educação continuada em fisiopatologia e terapêutica da dor. FONTE: 2017 HCFMUSP

A depender da fisiopatologia temos as seguintes síndromes dolorosas: nociceptiva, neuropática, nociplástica ou mista. Entender essa classificação é extremamente importante, pois indicará a melhor opção medicamentosa no tratamento.

Mecanismos fisiopatológicos

Dor nociceptiva

É percebida pelos nociceptores (receptores de dor) presentes na pele, músculos, ossos, articulações e tendões após lesões ou inflamação destas estruturas. Pode ser somática: lesão na pele estrutura musculoesquelética ou nas articulações, em que o paciente determina bem o local da dor, ou visceral: dor difusa e mal localizada, causada por lesão em órgãos internos, seja por inflamação, isquemia, distensão ou obstrução.

Dor neuropática

Dor causada por doenças que afetam os nervos e a forma deles interpretarem as sensações externas. Pode acometer nervos periféricos ou neurônios centrais. Um dos principais exemplos é a diabetes, que causa neuropatia periférica.

Dor mista

A dor mista é um tipo de síndrome dolorosa que é ao mesmo tempo neuropática e nociceptiva. Um exemplo é a dor de tumores malignos.

Dor nociplástica

Esta síndrome dolorosas é originada a partir da disfunção de nociceptores (limiar de dor mais baixo, gerando falsa percepção de dor) e muitas vezes relacionada a condições psicológicas (distúrbios de humor e do sono), como a fibromialgia.

Como tratar os diferentes tipos de dor?

A escada analgésica da OMS guia o manejo farmacológico da dor nociceptiva, que é composta de drogas “principais” (analgésicos comuns, AINEs e opioides) e drogas adjuvantes (corticoide, antidepressivos, anticonvulsivantes, antagonistas NMDA e alfa-2-adrenérgicos). O 1º degrau é para dor leve, o 2º para moderada e o 3º para dor intensa.

Ainda há o 4º degrau, para dores refratárias a fármacos e nesses casos podemos indicar procedimentos intervencionistas, como bloqueio de nervo periférico.

Escada analgésica da OMS. Fonte: Diretriz de Tratamento Farmacológico da Dor, Hospital Israelita Albert Einstein 2012
Escada analgésica da OMS. Fonte: Diretriz de Tratamento Farmacológico da Dor, Hospital Israelita Albert Einstein 2012

Para a dor neuropática devemos dar preferência aos gabapentinoides (gabapentina e pregabalina) e antidepressivos (tricíclicos e duais). A segunda linha de medicamentos é composta por opióides fracos como o tramadol e a terceira linha (seu uso depende muito de caso para caso) por opioides fortes, anticonvulsivantes, cetamina, toxina botulínica, neurolépticos, lidocaína, alfa-2-agonistas e sulfato de magnésio. 

Se você quiser saber mais sobre este assunto acesse o nosso streaming de atualização médica, para assistir de onde e quando quiser. Sabe aquela dúvida que aparece no meio do plantão!? Os conteúdos atualizados do Medclub prime podem te ajudar a obter ainda mais êxito na sua prática médica

Conclusão

As síndromes dolorosas causam uma sensação desagradável que deve ter causa elucidada para tratar corretamente. Reconhecer a fisiopatologia (nociceptiva ou neuropática) e intensidade da dor é o que guia o seu manejo. No caso da dor nociceptiva, seguir orientações da escada analgésica e para a dor neuropática, utilizar principalmente pregabalina e antidepressivos.

Continue aprendendo:

FONTES:

Artigo escrito por

Comece agora a se atualizar pagando apenas R$29,90!

Plano Mensal
R$29,90

Dúvidas?
Saiba mais sobre o medclub

O que é o medclub?

O Medclub foi feito para responder às dúvidas dos médicos, auxiliando-os para as suas decisões mais seguras, ajudando-os a desvendar todos os tipos de casos, dos mais simples aos mais complexos.

Onde posso assistir?

Assista onde preferir: computador, tablet ou smartphone. A plataforma é totalmente responsiva.

O que eu posso assistir no medclub?

Todas as aulas disponíveis de forma ilimitada. São diversas especialidades para você escolher quais assuntos deseja aprender e se atualizar.

Quanto custa o medclub?

Assine o Plano Anual por até 12x de R$24,90, totalizando R$ 298,80 ao ano. Pague no boleto ou no cartão de crédito. Já o plano mensal, o pagamento recorrente é de R$ 29,90 cobrado mensalmente em seu cartão de crédito.

Quais os métodos de pagamento?

Assista todas as aulas e tenha acesso a materiais exclusivos por uma pequena taxa mensal. Aderindo ao Plano Anual: utilize o Boleto Bancário à vista ou parcele em até 12x de R$ 24,90 nos Cartões de Crédito. Já no Plano Mensal: pague com Cartão de Crédito, mensalmente, o valor de R$ 29,90. 

Obs.: Caso opte pelo Plano Mensal, confira se você está utilizando um cartão de compra única (cartões virtuais temporários, com alteração periódica de números ou código de segurança), pois estes não são habilitados para pagamentos recorrentes e isso poderá bloquear seu acesso na próxima cobrança.

Como funciona o Trial de 7 dias?

Ao assinar um dos planos, você tem direito a testar por 7 dias. Cancele dentro do período de teste e seja ressarcido integralmente do valor investido.

Como faço para cancelar?

Você tem até 7 dias para cancelar sem custos e direto na plataforma. Após esse período, basta falar conosco pelo Suporte ou e-mail: contato@med.club

Nós utilizamos cookies. Ao navegar no site estará consentindo a sua utilização. Saiba mais sobre o uso de cookies.