Medicina Intensiva

Aprenda o Esquema de Abordagem ao Paciente com Anafilaxia na Emergência

Logo Medclub
Equipe med.club
30/6/2022
Compartilhe este artigo

A anafilaxia é um distúrbio potencialmente fatal que é sub-reconhecido e subtratado. Isso pode ser parcialmente devido à falha em perceber que a anafilaxia é uma síndrome muito mais ampla do que o "choque anafilático", e o objetivo da terapia deve ser o reconhecimento precoce e o tratamento com epinefrina para evitar a progressão para sintomas e sinais respiratórios e/ou cardiovasculares com risco de vida , incluindo choque.

Intervenções importantes nos primeiros minutos (pacientes adultos):

  • A atenção deve se concentrar primeiro nas vias aéreas, respiração e circulação, bem como na adequação da mente. Os lábios, a língua e a faringe oral são avaliados para angioedema, e o paciente é solicitado a falar seu nome para avaliar o edema periglótico ou glótico. A pele é examinada para urticária ou angioedema, que (se presente) é útil para confirmar o diagnóstico;
  • A epinefrina deve ser injetada IM. Se os sintomas forem graves, uma infusão de epinefrina IV deve ser preparada caso seja necessário.

ATENÇÃO PARA AS DOSES!

Dosagem IM - Para situações em que uma dose exata pode ser estabelecida e administrada, a dose recomendada de epinefrina para pacientes de qualquer idade é de 0,01 mg/kg (dose máxima de 0,5 mg) por dose única.

  • Se a via aérea superior não estiver edemaciada, o paciente deve ser colocado em decúbito dorsal, com as extremidades inferiores elevadas para maximizar a perfusão dos órgãos vitais;
  • Deve-se administrar oxigênio suplementar, inicialmente usando uma máscara sem respirador com taxa de fluxo de 15 litros/minuto ou máscaras comerciais de oxigênio de alto fluxo (fornecendo pelo menos 70% e até 100% de oxigênio);
  • Dois cateteres IV de grande calibre (idealmente de calibre 14 a 16 para a maioria dos adultos) devem ser inseridos em preparação para administração rápida de fluidos e medicamentos;
  • Em adultos normotensos, solução salina isotônica (0,9%) deve ser infundida a uma taxa de 125 mL/hora para manter o acesso venoso.
Compartilhe este artigo