Ginecologia e Obstetrícia
Ginecologia e Obstetrícia

Sangramento na primeira metade da gestação: causas, diagnóstico e tratamento

Logo Medclub
Equipe medclub
Publicado em
3/5/2023
 · 
Atualizado em
7/5/2023
Índice

Por Ellen Kosminsky

Os sangramentos na primeira metade da gestação são queixas frequentes no pronto-socorro, e causam importante angústia nas gestantes. Por isso, reconhecer como realizar o diagnóstico diferencial entre as principais condições que provocam os sangramentos é crucial para o manejo destas pacientes. Por isso, neste texto focaremos nestes aspectos, e mais especificamente nos aprofundaremos nas molas hidatiformes.

Quais as principais causas do sangramento na primeira metade da gestação?

As principais causas de sangramento na primeira metade da gestação são o aborto, a gestação ectópica e a doença trofoblástica gestacional (DTG).

Abortamento

O abortamento pode ser definido como: 

  • 1) perda do feto até a 22ª semana da gestação, ou; 
  • 2) perda do feto com peso < 500 g, ou; 
  • 3) perda do feto com < 25cm

As principais causas são os defeitos genéticos, podendo ser somáticos ou cromossômicos, com destaque para as aneuploidias, especialmente as trissomias. 

E mais, as infecções perinatais, uso de drogas recreativas e doenças maternas - como a síndrome do anticorpo antifosfolípide e o diabetes mellitus materno descompensado durante a organogênese - e o hipotireoidismo também são causas importantes de abortamento. Bem como as alterações uterinas, como a incompetência istmo cervical e a síndrome de Asherman.

Por fim, os abortos podem ser classificados em precoces (<12 semanas) e tardios (>12 semanas). E ainda, em esporádico ou habitual/recorrente, sendo esse último caracterizado por pelo menos 3 abortos consecutivos.

Gestação ectópica

A gestação ectópica (GE) é definida pela implantação do embrião fora da cavidade uterina. Cerca de 95% destas implantações ocorreram nas tubas uterinas e, em 80% dessas, na ampola das tubas.

Anatomia da tuba. Observe a localização da ampola. Fonte: Aula de Anatomia; link da fonte: https://www.auladeanatomia.com/sistemas/417/tubas-uterinas
Anatomia da tuba. Observe a localização da ampola. Fonte: Aula de Anatomia

São fatores de risco para a GE as alterações da anatomia ou da função tubária. Dessa forma, cirurgias tubárias prévias, aderências pélvicas e a doença inflamatória pélvica são consideradas fatores de risco, pois alteram a anatomia. E mais, a história de gestação ectópica anterior, etnia negra, endometriose e reprodução assistida

O tabagismo e o uso de anticoncepcionais de emergência, uma vez que dificultam o transporte ciliar. Por fim, a idade > 35 anos e o uso de DIU também são fatores que predispõem a este tipo de gestação. Esse último, apesar de diminuir o risco absoluto de gestações indesejadas, aumenta o risco relativo.

Para você ficar sabendo todos os detalhes temos uma aula exclusiva que trata desse assunto, confira no nosso streaming de atualização médica. O Medclub Prime tem um preço que cabe no seu bolso e vai te manter atualizado, o que é muito importante para o seu dia-a-dia

Doença trofoblástica gestacional

MH incompleta do 2º trimestre. Fonte: FEBRASGO
MH incompleta do 2º trimestre. Fonte: FEBRASGO

A doença trofoblástica gestacional (DTG) é definida pela proliferação anormal do trofoblasto. Pode ser classificada em DTG benigna - sendo essa representada pela mola hidatiforme - ou maligna. Observe a tabela abaixo. 

Os principais fatores de risco para a mola hidatiforme (MH) são a história prévia de MH, idade > 35 a 40 anos, abortamentos prévios, tabagismo e inseminação artificial. Para mais, a mola pode ser classificada em completa e incompleta. Na primeira, os óvulos vazios ou com cromossomos inativados são fecundados por um espermatozóide, que será duplicado. Entretanto, devido à presença exclusiva de cromossomos paternos, não haverá formação de tecido fetal.

Representação da formação da MH completa. Fonte: Fiocruz; link da fonte: https://portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br/atencao-mulher/principais-questoes-sobre-quando-suspeitar-de-mola-hidatiforme/
Representação da formação da MH completa. Fonte: Fiocruz

Já na mola incompleta, o óvulo apresenta cromossomos maternos ativados. Entretanto, esse será fecundado por dois espermatozóides, e apresentará 69 cromossomos, dos quais um é o conjunto materno e dois são os conjuntos paternos. Assim, devido a presença de cromossomos paternos no óvulo fecundado, haverá formação de tecido fetal.

Representação da MH incompleta/parcial. Fonte: Fiocruz
Representação da MH incompleta/parcial. Fonte: Fiocruz 

Como realizar o diagnóstico do Sangramento na primeira metade da gestação?

Abortamento

Representação dos tipos de abortamento. Fonte: Pinterest
Representação dos tipos de abortamento. Fonte: Pinterest

O diagnóstico do abortamento é predominantemente clínico, sendo caracterizado pela presença de sangramento e dor. Deve ser classificado quanto ao tipo de abortamento:

Ameaça de abortamento

Ocorre quando o feto não é expelido do útero, havendo apenas sangramento. O colo se encontra fechado, os batimentos cardíacos fetais (BCF) estão presentes, e o útero é compatível com a idade gestacional (IG).

Abortamento completo

Ocorre quando há expulsão do material ovular. O colo está fechado, o útero vazio ao ultrassom (USG), e apresenta tamanho reduzido para a idade gestacional. A espessura endometrial menor do que 20mm é considerada uma evidência de abortamento completo.

Abortamento retido

Quando há óbito do embrião, mas o feto não foi expelido. O colo se encontra fechado, o BFC está ausente, e o útero pode ser compatível ou reduzido para a IG.

Abortamento inevitável 

Quando o abortamento é presenciado pelo médico. O colo encontra-se aberto, o BCF pode estar presente ou ausente, e o útero pode estar compatível ou não com a IG.

Abortamento incompleto 

Quando ocorre expulsão de parte do material ovular, sendo essa incompleta. O colo encontra-se aberto, há restos ovulares visualizados na USG e o útero encontra-se reduzido para a IG.

Abortamento infectado 

O abortamento infectado é um tipo de abortamento incompleto. Há sinais de infecção, como taquicardia materna, hiper-reatividade uterina e secreção vaginal com odor/purulenta. Entretanto, a febre é o principal sinal, e deve sempre ser pesquisado.

Gestação ectópica

O diagnóstico da GE é baseado em três pilares: quadro clínico, valores de ß-hCG e na USG. Assim, a hipótese de gestação ectópica deve surgir quando a paciente apresenta quadro agudo de dor abdominal intensa, associado a sangramento discreto, durante a primeira metade da gestação.

Outros sinais e sintomas, como a presença de massa anexial palpável, irritação peritoneal e o sinal de Proust (grito de Douglas) - definido pela presença de dor intensa durante a palpação do fundo de saco posterior - são sugestivos. E mais, a dor escapular devido a irritação do nervo frênico, responsável por irrigar o diafragma por sangramento na cavidade abdominal, também levanta suspeitas para o quadro.

Para mais, é esperado que até a 10ª semana o valor do ß-hCG duplique a cada 48 horas. Entretanto, neste tipo esse aumento exponencial não ocorre. Esse exame é particularmente útil na janela discriminatória do ß-hCG, definida pela detecção do hormônio no exame de sangue, mas sem evidência do saco gravídico na ultrassonografia.

Doença trofoblástica gestacional

O diagnóstico da DTG é clínico, mas é apenas confirmado após o laudo histopatológico. Para mais, por haver uma reprodução excessiva e anormal dos trofoblastos, há também uma secreção excessiva de ß-hCG, especialmente nos quadros de mola hidatiforme completa, devido ao quadro genético mais grave. Assim, quadros de hiperêmese podem ser observados.

Para mais, o ß-hCG apresenta uma subunidade α, semelhante a subunidades observadas em outros hormônios, como o TSH e o LH.  Dessa forma, haverá uma hiperestimulação da tireóide - cursando com hipertireoidismo - e das células teca dos ovários - cursando com cistos ovarianos multiloculares, denominados cistos tecaluteínicos.

Cistos tecaluteínicos no USG. Fonte: Research Gate
Cistos tecaluteínicos no USG. Fonte: Research Gate 

Para mais, a proliferação anormal de trofoblastos apresenta aspecto vesicular, denominado “em cachos de uva”. Com a multiplicação excessiva, há necrose e descamação dessas vesículas, produzindo os sangramentos intermitentes, também descritos como “em suco de ameixa”, e o útero fica aumentando e diminuindo o seu tamanho (útero em sanfona). Além disso, o útero comumente está aumentado para a idade gestacional. Por fim, a saída das vesículas pelo canal vaginal é patognomônico da DTG.

Microscopia de mola hidatiforme completa. Observe o padrão em “cachos de uva”. Fonte: FEBRASGO
Microscopia de mola hidatiforme completa. Observe o padrão em “cachos de uva”. Fonte: FEBRASGO

Na USG é possível observar a presença de material amorfo e homogêneo, com áreas anecoicas, a “tempestade de neve”. Já na mola incompleta, o material fetal também pode ser evidenciado. Por fim, a presença deste material amorfo pode provocar quadros de pré-eclâmpsia grave e precoce na paciente e, na mola hidatiforme completa, o risco de evolução para a doença maligna é maior.

USG com formações anecogênicas permeando a cavidade abdominal, com padrão em “tempestade de neve”. Sugestivo de mola hidatiforme completa. Fonte: FEBRASGO
USG com formações anecogênicas permeando a cavidade abdominal, com padrão em “tempestade de neve”. Sugestivo de mola hidatiforme completa. Fonte: FEBRASGO
Se você quiser saber mais sobre este assunto acesse o nosso streaming de atualização médica, para assistir de onde e quando quiser. Sabe aquela dúvida que aparece no meio do plantão!? Os conteúdos atualizados do Medclub prime podem te ajudar a obter ainda mais êxito na sua prática médica

Tratamento das causas de sangramento na primeira metade da gestação

Abortamento

Na ameaça de abortamento e no abortamento incompleto, não há evidências científicas que comprovem eficácia de qualquer tratamento. Por isso, recomenda-se a conduta expectante.

Já no abortamento retido e incompleto, recomenda-se a conduta conservadora, aguardando o aborto espontâneo por até 4 semanas. Isso porque o risco de sangramento na primeira metade da gestação e infecção são menores nesses casos. Todavia, o esvaziamento uterino é também uma possibilidade terapêutica.

Nos abortamentos inevitáveis e infectados, o esvaziamento uterino é recomendado. É possível utilizar drogas, como o misoprostol e a ocitocina. Ou ainda, o esvaziamento pode ser cirúrgico, através da aspiração manual intrauterina (AMIU) em fetos < 12 semanas, e da curetagem em fetos > 12 semanas. 

A curetagem está indicada nesses casos porque, após as 12 semanas o feto já apresenta núcleos de calcificação, aumentando os riscos de perfuração durante a AMIU. No abortamento infectado, realiza-se antibioticoterapia empírica com clindamicina associada a gentamicina, para a cobertura de gram positivos, gram negativos e anaeróbios, podendo esse esquema ser também associado à penicilina G ou ampicilina.

Gravidez ectópica

Fluxograma para tratamento da gravidez ectópica. Fonte: FEBRASGO
Fluxograma para tratamento da gravidez ectópica. Fonte: FEBRASGO

O tratamento dessa causa de sangramento na segunda metade da gestação pode ser expectante, medicamentoso ou cirúrgico. O tratamento expectante está indicado nas pacientes hemodinamicamente estáveis, com ß-hCG < 1.000 a 1.500, preferencialmente com curva descendente nos valores do hormônio, e saco gravídico pequeno (< 3.5cm).

Já o tratamento medicamentoso é indicado para pacientes estáveis, com ausência dos BCF, ß-hCG < 5.000 e saco gestacional < 3.5cm. O medicamento de escolha é o metotrexato, um antagonista do ácido fólico, que interfere na produção das bases nitrogenadas e, portanto, na divisão celular. 

Sendo assim, é eficaz para tecidos como o trofoblasto, que apresentam alta taxa de multiplicação. Após o uso da medicação, espera-se que os níveis de ß-hCG diminuam ao menos 15% dentro da primeira semana, devendo ser dosados uma vez por semana até que a detecção do hormônio seja negativa.

Para o tratamento cirúrgico, pode-se realizar a laparoscopia ou a laparotomia. A laparoscopia é indicada para pacientes estáveis, com saco vitelínico ≥ 3.5cm ou ß-hCG > 5.000. Já a laparotomia é indicada para pacientes hemodinamicamente instáveis ou com saco > 5cm.

Doença trofoblástica gestacional

O tratamento padrão da DTG consiste na aspiração do útero, podendo essa ser através da vacuoaspiração pela AMIU ou pela aspiração elétrica. Objetiva-se a retirada de todas as vesículas, visto que a permanência de apenas uma na cavidade uterina pode gerar proliferação trofoblástica e retorno do quadro. 

Paciente antes da curetagem para retirada das vesículas de MH (A), e após o procedimento (B). Observe a diferença no tamanho do útero. Fonte: FEBRASGO
Paciente antes da curetagem para retirada das vesículas de MH (A), e após o procedimento (B). Observe a diferença no tamanho do útero. Fonte: FEBRASGO

Após a aspiração, dosa-se o ß-hCG de forma seriada semanalmente ou quinzenalmente, até que os valores do hormônio estejam zerados por três dosagens consecutivas. Após isso, a dosagem deve ser feita mensalmente por 6 meses. 

Além disso, deve-se investigar possíveis metástases, através do exame especular, para avaliar possível metástase vaginal, do raio-X de tórax, para identificar possíveis tumores de tórax, e através da USG, para avaliar invasão do miométrio/pelve. Por fim, indica-se realizar a anticoncepção eficaz, para evitar o aumento do ß-hCG novamente e prejudicar a interpretação do hormônio na dosagem seriada.

Metástase de neoplasia trofoblástica gestacional na vagina. Fonte: FEBRASGO
Metástase de neoplasia trofoblástica gestacional na vagina. Fonte: FEBRASGO

Conclusões

As principais causas de sangramentos na primeira metade da gestação são o abortamento, a gravidez ectópica e a doença trofoblástica gestacional. Saber como realizar o diagnóstico diferencial destas causas de sangramento, bem como o seu manejo, é de fundamental importância para o médico especialista.

Continue aprendendo:

FONTES: 

  • Tratado de Ginecologia FEBRASGO / editores Cesar Eduardo Fernandes, Marcos Felipe Silva de Sá; coordenação Agnaldo Lopes da Silva Filho...[et al]. – 1. ed. – Rio de Janeiro: Elsevier, 2019.

Assine o medclub e tenha acesso a um mundo de informações médicas

Aproveite por 30 dias gratuitamente e após esse período pague apenas R$29,90 por mês.

Artigo escrito por

Comece agora e tenha acesso a um mundo de informações médicas

Aproveite por 30 dias gratuitamente e após esse período pague apenas R$29,90 por mês.

Dúvidas?

O que é o MedClub?

O medclub é uma plataforma 100% online e responsiva focada no desenvolvimento e capacitação profissional dos médicos. Com videoaulas e materiais de apoio de alta qualidade, o médico é alavancado em uma dinâmica simples, clara e objetiva de atualização e aprimoramento dos conhecimentos essenciais à sua prática.

Como o MedClub pode me beneficiar?

O Medclub te proporciona a aplicabilidade prática da Medicina Baseada em Evidências, elevando o padrão da sua prática médica. Tudo isso em um só lugar, sem perda de tempo, com informações claras e fáceis de achar no dia a dia.

O MedClub beneficia médicos de diferentes níveis de experiência?

Sim! O MedClub foi cuidadosamente concebido e desenvolvido com o objetivo de simplificar o estudo e a atualização médica, proporcionando maior segurança nas práticas e procedimentos. Nossa plataforma visa melhorar os resultados diários dos médicos, abordando as principais preocupações independentemente do estágio de sua carreira.

Existe um prazo de garantia?

Com certeza! No MedClub, estamos comprometidos com você. Por isso, disponibilizamos 30 dias corridos gratuitos antes de qualquer pagamento ser debitado em sua conta, garantindo que sua assinatura entre em vigor apenas quando você estiver pronto.

Como faço para cancelar minha assinatura?

Ao iniciar sua assinatura no MedClub, você terá a flexibilidade de cancelá-la a qualquer momento diretamente na plataforma, podendo também cancelar entrando em contato com nossa equipe de suporte ou enviando um e-mail para contato@med.club.

Nós utilizamos cookies. Ao navegar no site estará consentindo a sua utilização. Saiba mais sobre o uso de cookies.