Clínica Médica
Clínica Médica

Filariose Linfática: o que é, sintomas, diagnóstico e tratamento

Logo Medclub
Equipe medclub
Publicado em
20/11/2023
 · 
Atualizado em
20/11/2023
Índice

Além de estar presente na lista de doenças negligenciadas divulgada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), a Filariose Linfática (FL) é considerada uma das maiores causas de incapacidade permanente devido a história natural da doença, mas também por sua associação com depressão em diversos pacientes, uma vez que a desconfiguração estética e o aspecto elefantoide podem estar presente.

O que é Filariose Linfática?

A filariose linfática é uma doença parasitária causada por um nematóide que invade a circulação linfática do indivíduo acometendo, principalmente, os membros inferiores. Ela tem recorrência de manifestações agudas, mas com possibilidade de cronicidade gerando consequências significativas à funcionalidade da região comprometida e podendo levar o paciente a uma incapacidade de longo prazo ou até mesmo permanente.

Epidemiologia

Por se tratar de uma doença de caráter tropical e subtropical, a Filariose Linfática tem maior prevalência em países das Américas, Ásia, África e em ilhas do Pacífico. Atualmente, apesar de estar em fase de eliminação no Brasil, a região Metropolitana de Recife, localizada em Pernambuco, ainda é considerada endêmica e, consequentemente, a mais impactada no país de maneira social e econômica devido à evolução da doença e as suas consequências nos pacientes.

{{banner-cta-blog}}

Etiologia e Ciclo Biológico

A filariose linfática é causada por um nematóide, sendo o mais comum o Wuchereria bancrofti (90% dos casos), seguido de Brugia malayi e Brugia timori. Tais vermes são transmitidos aos seres humanos através de um artrópode infectado, o Culex quinquefasciatus (pernilongo ou muriçoca). Por ser o hospedeiro definitivo do verme, o humano torna-se sede de sua maturação sexual e proliferação com produção de microfilárias a qual, neste caso, ocorre principalmente dentro da circulação linfática ou nos próprios linfonodos. Veja a imagem que ilustra seu ciclo biológico:

Imagem mostrando o ciclo biológico do Wuchereria bancrofti
Ciclo biológico do Wuchereria bancrofti. Fonte: Parasitologia, Fundamentos e Prática Clínica - R.S.B

Fisiopatologia

Assim que ocorre a invasão, o parasita causa um estímulo de resposta Th2 com aumento significativo de IgG4 e IgE, seguida por uma atividade imune Th1 com aumento de macrófagos, neutrófilos e eosinófilos, visando seu isolamento e fagocitose para a formação de granuloma

Contudo, tais vermes possuem características de combate ao sistema imune, podendo resistir e causar a cronicidade da infecção. Do contrário, a sua lise ocorre resultando na liberação de bactérias endossimbióticas, com aumento de interleucinas e da reação inflamatória, ocasionando as manifestações agudas da doença.

Quadro clínico da filariose linfática

A filariose linfática pode ser assintomática quando há uma infecção exclusivamente de microfilárias, mas pode tornar-se sintomática de forma aguda e/ou crônica. A linfangite e adenite filarial aguda são quadros recorrentes causados pela lise do verme adulto em que manifestações como hipertrofia linfonodal dolorosa, febre, astenia, mialgia, cefaleia e hidrocele aguda são comuns, bem como o edema agudo (regride com a reabsorção do granuloma). 

Porém, em cronicidade (30% dos casos) a doença adquire um caráter de linfedema crônico com distorção estética para um aspecto elefantoide (Elefantíase), podendo associar-se com quilúria, proteinúria e hematúria microscópica.

Diagnóstico da filariose linfática

Os principais métodos diagnósticos são os de visualização direta dos vermes, como:

  •  Microscopia de sangue filtrado ou centrifugado: a coleta deve ser feita  entre 22h e 2h da manhã, pois é o período no qual as microfilárias estão nos capilares superficiais;
  • Biópsia de tecido linfático: ela identifica a presença de células gigantes com eosinófilos e macrófagos formando o granuloma, bem como o verme;
  • Ultrassonografia (USG) de vasos linfáticos: pela qual percebe-se o sinal da dança da filária (SDF); e
  • Detecção de anticorpos (IgG4 e IgE) e de antígeno também podem ser realizados.
Imagem microscópica da microfilária do Wuchereria bancrofti, com pigmentação roxa
Visualização microscópica da microfilária do Wuchereria bancrofti. Fonte: Parasitologia, Fundamentos e Prática Clínica - R.S.B

Tratamento da filariose linfática

Tratamento da filariose linfática aguda

Tendo em vista a possibilidade de infecção com microfilárias e vermes adultos, a terapêutica principal no tratamento da doença aguda é a Dietilcarbamazina (DEC), a qual pode ser administrada 3 vezes ao dia por 12 dias, em doses de 2 mg/kg ou em dose única (preferível) de 6 mg/kg. Contudo, é essencial que antes do início do medicamento seja descartada a coinfecção de Onchocerca volvulus e de Loa loa, uma vez que a administração da DEC em uma infecção simultânea pode causar efeitos colaterais graves como cegueira e meningoencefalite, podendo ser fatal para o paciente. Nesses contextos, a medicação de 1° linha pode ser a Doxiciclina, bem como a Ivermectina e o Albendazol se tornam opções. 

{{banner-cta-blog}}

Tratamento da filariose linfática crônica

Diferentemente do quadro agudo, a doença em sua forma crônica possui mais características clínicas de linfedema crônico e algumas alterações renais, sem manifestações mais alarmantes. 

Portanto, a terapêutica é voltada para algumas medidas a fim de evitar infecções bacterianas concomitantes: higiene da área comprometida 2x/dia; higiene das unhas; cremes antibióticos; usar sapatos; praticar exercício regularmente e elevação dos membros a noite. Em alguns casos de infecção recorrente, deve ser considerada uma antibioticoprofilaxia.

Conclusão

Apesar de ser uma doença em eliminação no nosso país, a Filariose Linfática merece destaque pela magnitude de suas consequências, sejam elas de saúde, sociais e econômicas para os pacientes. A identificação da doença com o tratamento adequado associado ao controle populacional de sua disseminação deve ser prioridade, para que possamos interromper a incidência da doença em nossa população.

Continue aprendendo:

FONTES:

  • Filariose linfática (Elefantíase) - Ministério da Saúde;
  • Filariose linfática brancoftiana e brugiana - Manual MSD, versão para profissionais de saúde;
  • Parasitologia, Fundamentos e Prática Clínica - R.S.B;
  • Lymphatic filariasis: Treatment and prevention

Assine o medclub e tenha acesso a um mundo de informações médicas

Aproveite por 30 dias gratuitamente e após esse período pague apenas R$29,90 por mês.

Artigo escrito por

Comece agora e tenha acesso a um mundo de informações médicas

Aproveite por 30 dias gratuitamente e após esse período pague apenas R$29,90 por mês.

Dúvidas?

O que é o MedClub?

O medclub é uma plataforma 100% online e responsiva focada no desenvolvimento e capacitação profissional dos médicos. Com videoaulas e materiais de apoio de alta qualidade, o médico é alavancado em uma dinâmica simples, clara e objetiva de atualização e aprimoramento dos conhecimentos essenciais à sua prática.

Como o MedClub pode me beneficiar?

O Medclub te proporciona a aplicabilidade prática da Medicina Baseada em Evidências, elevando o padrão da sua prática médica. Tudo isso em um só lugar, sem perda de tempo, com informações claras e fáceis de achar no dia a dia.

O MedClub beneficia médicos de diferentes níveis de experiência?

Sim! O MedClub foi cuidadosamente concebido e desenvolvido com o objetivo de simplificar o estudo e a atualização médica, proporcionando maior segurança nas práticas e procedimentos. Nossa plataforma visa melhorar os resultados diários dos médicos, abordando as principais preocupações independentemente do estágio de sua carreira.

Existe um prazo de garantia?

Com certeza! No MedClub, estamos comprometidos com você. Por isso, disponibilizamos 30 dias corridos gratuitos antes de qualquer pagamento ser debitado em sua conta, garantindo que sua assinatura entre em vigor apenas quando você estiver pronto.

Como faço para cancelar minha assinatura?

Ao iniciar sua assinatura no MedClub, você terá a flexibilidade de cancelá-la a qualquer momento diretamente na plataforma, podendo também cancelar entrando em contato com nossa equipe de suporte ou enviando um e-mail para contato@med.club.

Nós utilizamos cookies. Ao navegar no site estará consentindo a sua utilização. Saiba mais sobre o uso de cookies.